O que espera Lula do encontro com Biden esta semana?

O presidente do Brasil, Luís Inácio Lula da Silva, vai reunir-se esta sexta-feira, dia 10, com o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden. A visita já estava marcada desde o dia 9 de janeiro, quando Biden ligou para Lula para prestar solidariedade ao Brasil depois que extremistas vandalizaram a sede dos Três Poderes em Brasília, no dia 8 de janeiro.

No site do Departamento de Estado dos EUA foi deixada uma nota conjunta sobre a chamada, que ressalta que “Biden e Lula conversaram por telefone”, tendo Lula recebido “o apoio incondicional dos Estados Unidos à democracia do Brasil e à vontade do povo brasileiro, expresso nas últimas eleições do Brasil, vencidas pelo presidente Lula”.

“O presidente Biden condenou a violência e o ataque às instituições democráticas e à transferência do poder. Os dois líderes comprometeram-se a trabalhar juntos em temas enfrentados pelos Estados Unidos e pelo Brasil, entre os quais a mudança do clima, o desenvolvimento económico, paz e segurança. O presidente Biden incentivou Lula a visitar Washington no início de fevereiro para consultas aprofundadas sobre uma ampla agenda comum e o presidente Lula aceitou o convite”, pode-se ler na nota.

“Estou animado para conversar com o presidente Biden e aprofundar a relação entre os nossos países”, disse Lula em dezembro do ano passado.

Biden também partilha dos mesmos pensamentos e espera fortalecer ainda mais o relacionamento entre os Estados Unidos e o Brasil. De acordo com o comunicado oficial no site da Casa Branca, os dois presidentes pretendem discutir o apoio inabalável dos Estados Unidos à democracia brasileira e como os dois países podem continuar trabalhando juntos para promover a inclusão e os valores democráticos na região e no mundo.

Em 2022, as trocas comerciais entre Brasil e Estados Unidos atingiram o nível histórico de US$ 88,7 mil milhões, de acordo com análise do Monitor de Comércio Brasil-EUA da Amcham. Através deste levantamento, soube-se que o valor superou em US$ 18,2 mil milhões (25,8%) o recorde anterior, estabelecido em 2021.

Já as exportações do Brasil para o mundo tiveram um crescimento de 19,3% enquanto que para os Estados Unidos foi de 20,2%, de acordo com o Monitor. No total o aumento das importações brasileiras foi de 24,3%, enquanto o das compras vindas dos Estados Unidos foi de 30,3%.

Com esses resultados, a participação norte-americana na corrente do Brasil subiu para 14,6%, atingindo o nível mais elevado desde o início da pandemia.

“Os resultados sem precedentes em todos os principais indicadores do comércio bilateral revelam o momento de forte dinamismo das relações económicas entre os dois países, bem como o aumento da relevância dos Estados Unidos para o comércio exterior brasileiro”, afirmou o novo CEO da Amcham Brasil, Abrão Neto.

Ígor Lopes

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *




Artigos relacionados

Governo libanês reverte apelo para investigar crimes de guerra de Israel no Líbano

Governo libanês reverte apelo para investigar crimes de guerra de Israel no Líbano

Esta semana, o governo libanês anunciou que pretende recuar no pedido de investigações de crimes de guerra israelitas em solo…
Cabo Verde: Santa Catarina já conta com centro multifuncional para crianças especiais

Cabo Verde: Santa Catarina já conta com centro multifuncional para crianças especiais

Foi inaugurado, segunda-feira, em Santa Catarina, o Centro de Cuidados de Crianças e Adolescentes com Necessidades Especiais. Localizado no edifício…
África do Sul: Comissão Eleitoral Independente continua a processar os resultados da eleição de 29 de Maio

África do Sul: Comissão Eleitoral Independente continua a processar os resultados da eleição de 29 de Maio

Os órgãos eleitorais da África do Sul esperaram concluir este fim-de-semana a contagem dos votos das eleições gerais de 29…
Brasil: A Fundação AIS está solidária com as vítimas das trágicas inundações

Brasil: A Fundação AIS está solidária com as vítimas das trágicas inundações

A organização internacional católica Ajuda à Igreja que Sofre (Fundação AIS) está em estreito contacto com os seus parceiros locais…