Países juntos da CPLP considerados 10.ª maior economia mundial

Os nove membros da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), juntos, representariam a 10.ª maior economia mundial. Esta é a conclusão tirada da base de dados do Fundo Monetário Internacional (FMI). 

Ao todo, estes países valeriam 1,8 biliões de dólares (cerca de 1,5 biliões de euros), ficando abaixo do Canadá e acima da Coreia do Sul, numa lista liderada pelos Estados Unidos da América. Tal dever-se-ia à junção do Produto Interno Bruto (PIB) de Portugal, Brasil, Angola, Cabo Verde, Guiné Equatorial, Guiné-Bissau, Moçambique, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. 

O Brasil é o país que detém a maior riqueza da lusofonia, através de um PIB avaliado em 1,4 biliões de dólares. Em segundo está Portugal, com um PIB de 257 mil milhões de dólares. O último lugar é ocupado por São Tomé e Príncipe, com 485 milhões. 

O FMI prevê que o valor destas economias vai crescer 9,1% no próximo ano, chegando ao final de 2022 com uma riqueza total de 2,014 biliões de dólares, equivalentes a 1,65 biliões de euros.

Deixe uma resposta




Artigos relacionados

Brasil: Tentativa terrorista pró-Bolsonaro de golpe de estado repudiada por líderes mundiais

Brasil: Tentativa terrorista pró-Bolsonaro de golpe de estado repudiada por líderes mundiais

Depois de um dia de ataques à democracia brasileira, o presidente Lula da Silva decretou intervenção federal na Capital do…
O diário de Anne Frank regressa em 2023

O diário de Anne Frank regressa em 2023

Depois de uma temporada de 4 meses no Teatro da Trindade INATEL e com mais de 30 mil espectadores, o…
Angola: Consulado de Portugal abre agendamento para pedido de vistos

Angola: Consulado de Portugal abre agendamento para pedido de vistos

Consulado Geral de Portugal em Luanda anunciou a abertura, no próximo mês de fevereiro, de agendamento para pedido de vistos.…
Timor-Leste: Menos de metade dos beneficiários receberam cesta básica

Timor-Leste: Menos de metade dos beneficiários receberam cesta básica

As autoridades timorenses distribuíram cestas básicas a menos de metade dos beneficiários previstos durante os primeiros seis meses de implementação…