STP: Polémica sobre participação do primeiro-ministro, Patrice Trovoada, na coroação do Rei Charles III

Uma franja da população santomense sente-se desconfortável com a suposta participação do primeiro-ministro, Patrice Trovoada, na coroação do Rei Charles III, no dia 6. Nenhum representante de São Tomé e Príncipe aparece na lista de convidados divulgada pela organização das cerimónias.

Questionado pela imprensa local, o presidente da República afirmou não ter recebido qualquer convite para participar no evento. “Eu não me fiz representar porque não me chegou qualquer convite para representar São Tomé e Príncipe naquele evento. E não tendo recebido convite oficial não ficaria bem fazer-me representar”

“Essas coisas são protocolares, há ordens e procedimentos a respeitar e eu não poderia fazer isso aos santomenses sem que de facto tivesse recebido oficialmente o convite para lá estar”, acrescentou Carlos Vila Nova.

O primeiro-ministro, ao regressar ao país, desvalorizou a polémica. “Não vou comentar uma declaração que eu próprio não sei o contexto (…) Todas as terças-feiras temos um encontro e poderei saber melhor em que contexto”.

Sobre a indicação do seu nome na lista de convidados, Patrice Trovoada respondeu: “Não vejo muito interesse estarmos aqui a comentar coisas que não sei. Se há uma lista de dois mil convidados, fala-se de 500 convidados, … se as pessoas estavam sentadas à direita e sentadas à esquerda…. são questões para mim que não são relevantes. Temos muitas coisas para nos preocuparmos”.

O chefe do governo acrescentou que “o importante é que estivemos lá” e que durante a sua permanência em Londres avistou-se com várias delegações de países amigos e da CPLP, como com os Presidentes do Brasil e de Angola, com os quais abordou, entre outros assuntos, a próxima cimeira da organização a ter lugar na capital santomense.

Antes de deixar o país, Trovoada reiterou a intenção do governo de abrir uma embaixada na Inglaterra, até o final do mandato. Para tal, “resta encontrar com as autoridades britânicas um quadro propício para os nossos emigrantes sintam mais próximos de São Tomé e Príncipe”.

Por outro lado, defende que o arquipélago deve ter uma verdadeira política de emigração.

“O perfil da nossa diáspora está a mudar bastante, nos últimos anos, demonstrando que o país precisa utilizar mecanismos através da banca e dos incentivos no âmbito das remessas dos emigrantes”, justificou.

Tem igualmente chamado a atenção o número de viagens ao exterior já realizadas pelo chefe do governo desde a sua entrada em funções, há cerca de seis meses, quando reclama a grave situação financeira do país.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *




Artigos relacionados

Governo libanês reverte apelo para investigar crimes de guerra de Israel no Líbano

Governo libanês reverte apelo para investigar crimes de guerra de Israel no Líbano

Esta semana, o governo libanês anunciou que pretende recuar no pedido de investigações de crimes de guerra israelitas em solo…
Cabo Verde: Santa Catarina já conta com centro multifuncional para crianças especiais

Cabo Verde: Santa Catarina já conta com centro multifuncional para crianças especiais

Foi inaugurado, segunda-feira, em Santa Catarina, o Centro de Cuidados de Crianças e Adolescentes com Necessidades Especiais. Localizado no edifício…
África do Sul: Comissão Eleitoral Independente continua a processar os resultados da eleição de 29 de Maio

África do Sul: Comissão Eleitoral Independente continua a processar os resultados da eleição de 29 de Maio

Os órgãos eleitorais da África do Sul esperaram concluir este fim-de-semana a contagem dos votos das eleições gerais de 29…
Brasil: A Fundação AIS está solidária com as vítimas das trágicas inundações

Brasil: A Fundação AIS está solidária com as vítimas das trágicas inundações

A organização internacional católica Ajuda à Igreja que Sofre (Fundação AIS) está em estreito contacto com os seus parceiros locais…