Portugal e Angola querem ‘esforços conjuntos’ no Golfo da Guiné

O secretário executivo adjunto da Comissão do Golfo da Guiné em Angola defendeu que devem ser realizados “esforços conjuntos” para incentivar as lideranças regionais a tomarem medidas que travem “a criminalidade marítima regional”. Portugal e Angola partilharam que concordam com esta opinião.

Recorde-se que a Comissão do Golfo da Guiné, que engloba diversos países africanos, é uma ferramenta institucional de permanente cooperação entre os Estados costeiros e visa a defesa de interesses comuns e a paz. A criminalidade marítima nesta zona tem aumentado, entre pirataria, assaltos e contrabandos.

De acordo com o embaixador de Portugal em Angola, Pedro Pessoa e Costa, a União Europeia considerou a zona do Golfo da Guiné como uma “zona de importância marítima e, por isso mesmo, integrada na iniciativa ‘Mar Aberto’”, com a “presença marítima coordenada”.

Para o diplomata, “esta cooperação bilateral e multilateral é importante na área da segurança e por isso mesmo esta presença marítima coordenada que se realizou é um sinal também que a União Europeia pode ser produtora da segurança marítima”.

Por sua vez, o embaixador de Angola em Portugal, Afonso Eduardo, disse que tem de haver um trabalho conjunto “para melhorar e incentivar a vontade política dos nossos líderes para essa região, porque são eles que decidem”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.




Artigos relacionados

Ucrânia: Presidente assina pedido de adesão à União Europeia

Ucrânia: Presidente assina pedido de adesão à União Europeia

O Presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, assinou nesta segunda-feira, 28 de fevereiro, o pedido formal de adesão à União Europeia…
Ucrânia: Ataque russo em Kharkiv causa 11 mortes

Ucrânia: Ataque russo em Kharkiv causa 11 mortes

O Governo ucraniano afirmou nesta segunda-feira, 28 de fevereiro, que morreram 11 pessoas e centenas ficaram feridas durante um ataque russo…
Angola: Cidadãos angolanos fogem da Ucrânia

Angola: Cidadãos angolanos fogem da Ucrânia

A maioria dos angolanos que viviam em Kharkiv, segunda maior cidade da Ucrânia, decidiu abandonar o local no sábado, 26…
Guerra na Ucrânia causa 422 mil refugiados

Guerra na Ucrânia causa 422 mil refugiados

O Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) partilhou nesta segunda-feira, 28 de fevereiro, que já são mais…
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin