Portugal sobe três lugares e ocupa o 16º lugar do Índice de Digitalidade da Economia e da Sociedade (IDES)

A edição de 2021 do Índice de Digitalidade da Economia e da Sociedade revelou, na semana passada, a subida de três lugares de Portugal relativamente à edição de 2020, ocupando agora o 16.º entre os 27 Estados-membros da União Europeia (UE) e refletindo os esforços de desenvolvimento digital da sociedade e da economia nacionais.

Em 2021 o IDES foi simplificado, sendo agora composto por 33 indicadores, na sequência da revisão metodológica para alinhamento com os objetivos digitais da Europa para 2030 (“Bússola Digital 2030”), cujas quatro dimensões – capital humano, conetividade, empresas e serviços públicos – são coincidentes com o Plano de Ação para a Transição Digital de Portugal.

Segundo os dados da Comissão Europeia, conhecidos na passada sexta-feira, o saldo positivo de Portugal envolve subidas em termos absolutos em 13 indicadores.

No capítulo do capital humano, um dos principais destaques foi a subida de seis posições (+11%) em termos de especialistas em tecnologias da informação e conhecimento (TIC) o que representa uma convergência com a média europeia e para o qual contribui, em grande medida, o aumento expressivo de especialistas mulheres que atingiu 22% do total. Colocando Portugal neste campo em 9.º lugar e acima da média da UE.

Em termos de conetividade, o país ocupa lugares cimeiros quanto à adesão à banda larga fixa rápida (3.º lugar), bem como em termos de cobertura de rede fixa de capacidade muito elevada (7.º lugar). No indicador relativo à cobertura 4G em alojamentos, encontra-se acima da média da UE, alcançando 99,9% entre o total das operadoras móveis.

Nas empresas, Portugal lidera o novo indicador da transição gémea (digital e verde) que reflete a adoção de tecnologias digitais com impacto na sustentabilidade ambiental, estando igualmente nos lugares cimeiros no novo indicador de adoção de tecnologias de Inteligência Artificial pelas empresas. Destaca-se ainda a subida de um lugar, para a 4.ª posição, no indicador relativo ao volume de negócios do comércio eletrónico pelas Pequenas e Médias Empresas (PME).

Quanto à Administração Pública, Portugal mantém-se acima da média da UE, destacando-se na disponibilização de serviços públicos digitais para cidadãos e para as empresas, bem como na disponibilização de formulários online de serviços públicos com dados pré-preenchidos.

Os relatórios por país do IDES combinam provas quantitativas dos indicadores com uma visão das políticas e das boas práticas específicas de cada Estado-membro. São considerados um instrumento fundamental para diagnosticar e monitorizar a digitalização da economia e da sociedade, servindo como base a políticas públicas para alcançar objetivos e concretizar a convergência com a UE, garantindo que ninguém fica para trás.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.




Artigos relacionados

MPLA, FRELIMO, ANC e SWAPO querem formação contínua dos militantes

MPLA, FRELIMO, ANC e SWAPO querem formação contínua dos militantes

Militantes e delegados dos partidos MPLA (Angola), FRELIMO (Moçambique), ANC (África do Sul) e SWAPO (Namíbia) terminam neste sábado, 26…
Moçambique: Autarquias locais mantêm dependência do OE

Moçambique: Autarquias locais mantêm dependência do OE

O presidente da Comissão de Administração Pública e Poder Local da Assembleia da República de Moçambique, Francisco Mucanheia, chefiou um…
Timor-Leste: Construção do Porto de Tíbar alcançou os 72% em 2021

Timor-Leste: Construção do Porto de Tíbar alcançou os 72% em 2021

O Ministério das Finanças de Timor-Leste informou, através de um documento, que a construção do Porto de Tíbar chegou a 72%…
Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Na província moçambicana de Nampula, 17.182 trabalhadores foram empurrados para o desemprego nos dois últimos anos na sequência da paralisação…
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin