São Tomé e Príncipe: Carlos Vila Nova diz que “é preciso dar o salto para a modernidade, em 2022”

O Presidente da República São-Tomense, Carlos Vila Nova disse que “é preciso dar o salto para a modernidade”.

Essas declarações foram proferidas na mensagem do ano novo, e sublinhando ainda que “temos de entrar para o ano de 2022, com outras perspetivas, com outro olhar, com otimismo, com a crença de uma sociedade melhor, mas igualmente, com o querer genuíno e determinação sem limite, que nos expulse definitivamente da miséria e da mediocridade em que vivemos hoje”.

No seu discurso, Carlos Vila Nova afirmou que, a sua missão é “essencialmente um projeto de justiça e progresso social com a justiça nem com a proteção social que o país tem hoje”.

O Chefe de Estado São-Tomense assegurou que “é preciso reformar a justiça e reformar o Estado, reformar as instituições, mas reformar com ambição “.

Carlos Vila Nova afirmou ainda que não há “a mínima dúvida que o país está enclausurado numa teia de corrupção, que de banal e camuflada passou a ser aberta, direta e institucional com proporções nunca antes visto, minando a estrutura do Estado.”

Vila Nova acrescentou ainda que “por isso, não poderia terminar esta minha intervenção sem falar da justiça, porque é imperativo que se ponha termo à injustiça reinante”.

Para o Presidente da República a corrupção, “sob todas as suas formas, grandes e pequenas, as suspeitas de corrupção, críticas e denúncias, anónimas e não anónimas veladas e abertas”, marcaram 2021.

Carlos Vila Nova sustentou ainda que “o ano que acaba hoje foi profundamente marcado por tudo isso, sem que tenhamos registo de um ato sério vigoroso, decisivo de combate à corrupção”.

Tendo considerado que à semelhança do ano anterior, 2021 “foi muito duro para os são-tomenses”, sobretudo “as tempestades destes últimos dias, particularmente as do dia 28 do mês de dezembro, com todo o seu cortejo de danos e destruições”.

O presidente da República sublinhou que “os pedidos de socorro das nossas populações e da sociedade civil esbatem-se num muro de silêncio, quando o nosso ambiente é deixado à fúria avassaladora dos homens, para os quais não há limites à sua atuação”.

“O país está literalmente parado”, disse Carlos Vila Nova, tendo sublinhado que “a pandemia serviu de desculpa para tudo, incluindo para os nossos erros e negligências, bem como para os nossos humores e caprichos, que se traduziram em inexplicáveis desperdícios.

“Não podemos continuar a desperdiçar sobretudo aquilo que não temos nem somos capazes de produzir e de que a comunidade precisa como do ar de que respira”, adiantou o Presidente da República.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.




Artigos relacionados

Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Na província moçambicana de Nampula, 17.182 trabalhadores foram empurrados para o desemprego nos dois últimos anos na sequência da paralisação…
Presidente da Rússia pede a Exército ucraniano para tomar o poder

Presidente da Rússia pede a Exército ucraniano para tomar o poder

O Presidente russo, Vladimir Putin, apelou ao Exército ucraniano para que retirasse o apoio ao Governo ucraniano, o que significa…
Ucrânia confirma ataques da Rússia a creches e orfanatos

Ucrânia confirma ataques da Rússia a creches e orfanatos

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Ucrânia, Dmytro Kuleba, confirmou os relatos de ataques e bombardeamentos a creches e orfanatos…
Rússia prende mais de 1.800 manifestantes que são contra a guerra

Rússia prende mais de 1.800 manifestantes que são contra a guerra

As autoridades russas detiveram mais de 1.800 manifestantes que se opuseram à invasão à Ucrânia.  “Nós estamos preocupados com as…
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin