São Tomé e Príncipe

MLSTP critica governo

O principal partido da oposição acusou o governo do ADI de levar a cabo uma política “desastrosa”, que tem como consequência o “agravamento das condições de vida” da população.

O MLSTP/PSD deu como exemplo a “crise de água e energia que se faz sentir, praticamente por todo o país”.

«As promessas de água, de energia e de melhores condições de saúde, de entre outras apresentadas no orçamento do cidadão, não podem ser cumpridas, porque foram mal concebidas e com base em promessas falsas», sublinha o comunicado da Comissão Política do partido.

Esta estrutura também “desafia o governo do ADI a explicar detalhadamente ao povo de São Tomé e Príncipe, sobre as verdadeiras causas da atual crise energética e os mecanismos utilizados para a aquisição das embarcações, pois que a referida aquisição não consta dos Orçamentos Gerais do Estado de 2015 e 2016, exortando o Ministério Público e o Tribunal de Contas a agirem em conformidade, em nome da transparência e boa gestão dos recursos públicos”.

Os sociais-democratas referiram-se ainda à promessa do governo de pagar salários na Administração Pública pontualmente, “mas o que se regista atualmente, é que os mesmos são pagos com imensos atrasos”.

O MLSTP/PSD fala ainda da “política de utopia” do governo, do “culto à personalidade ao seu chefe” como causas da “divisão na sociedade e infusão do medo”, porque têm como princípio “quem não está comigo está contra mim” coibindo as pessoas de liberdade de pensamento e de expressão.

O histórico partido alertou também ao povo para “estar atento aos atos deste governo e não se deixar enganar com promessas sem sustentação, propaladas através da censura e manipulação, ao seu favor, dos conteúdos informativos dos órgãos de comunicação social estatais”.

No que respeita às eleições presidenciais, os sociais-democratas decidiram criar um gabinete que deverá apresentar “cenários sobre o posicionamento que o partido deverá adotar em função das candidaturas que vierem a surgir, em tempo e modalidades a serem aprovadas pelo Conselho Nacional”.

© e-Global Notícias em Português
Comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Topo