São Tomé e Príncipe

Pacto com ADI está fora de hipótese, afirma MLSTP/ PSD

O presidente do MLSTP/PSD descartou a possibilidade de haver qualquer pacto com o ADI, “qualquer que seja o resultado” das eleições legislativas de 2018.

«O ADI falhou no seu programa de governação. O ADI tem uma maioria absoluta, tem um Presidente da República e tem a maior parte das câmaras distritais. Está no fim do seu mandato e não deu provas que de facto é um partido que conhece a realidade do povo santomense e tem políticas para tirar o país em situação em que se encontra. A pobreza aumentou», disse Aurélio Martins, em conferência de imprensa para reagir às declarações do primeiro-ministro no programa televisivo “50 minutos”.

Qualificou mesmo de “pouco elegante e ridícula”, o facto de Patrice Trovoada ter chegado ao ponto de “admitir o inadmissível, ou seja, cogitar a possibilidade de uma possível coligação com o MLSTP/PSD.

Martins lembrou que Patrice e o seu governo apostaram em “vergonhosas medidas de exclusão”, depois da “suposta e hoje interrogada maioria absoluta em 2014”. «Esta possibilidade é nula na nossa agenda», sublinhou.

O líder do principal partido da oposição diz que Patrice Trovoada terá que “prestar contas à nação santomense, não só das promessas que fez e até hoje com resultados negativos para os cofres do Estado, mas também das suas viagens pelo mundo fora”.

«Terá igualmente que responder judicialmente pelos 30 milhões de dólares recebido de empréstimos e que até hoje não entrou na conta do Tesouro Público». Várias queixas foram feitas ao Ministério Público por causa deste dossiê, e a instituição ainda não se pronunciou.

Aurélio Martins insiste que Patrice Trovoada deverá responder também pela “compra efetuada à margem da lei, das cinco embarcações adquiridas em seu nome; geradores de energia que não funcionam; imóveis para os tribunais, que indiciam negócios consigo próprio, etc…”; assim como pelas “gravíssimas acusações” sobre o seu alegado envolvimento no financiamento do golpe de Estado de 2003.

«O Sr. Primeiro-ministro deverá ser investigado e responsabilizado criminalmente por todos estes danos causados à nossa nação», reiterou Aurélio Martins.

Ele alertou a população sobre o “pacote de ações fraudulentas” levadas a cabo pelo primeiro-ministro e seu partido ADI para “vencer a qualquer custo os próximos atos eleitorais”.

Segundo o MLSTP/PSD, as ações que indiciam a preparação da “gigantesca fraude eleitoral” são: falhas detetadas no novo sistema informático da Comissão Eleitoral Nacional; proposta do projeto da nova lei da Comissão Eleitoral Nacional; proposta da criação do Tribunal Constitucional e permanência ilegal dos militares ruandeses.

O presidente do MLSTP/PSD decidiu reagir em conferência de imprensa à entrevista de Patrice Trovoada, porque a televisão pública recusou conceder o direito de resposta no mesmo espaço.

O Conselho Superior de Imprensa respondeu à reclamação da principal força da oposição, instando aos profissionais dos órgãos públicos, Rádio e Televisão, a “pautarem no exercício das suas funções pelo dever de isenção, neutralidade, independência e elevado sentido de autoridade moral, informando desta feita com verdade, rigor e objetividade …”.

Contudo, as deliberações do CSI não têm caráter vinculativo.

Entretanto, o presidente do MLSTP/PSD anunciou que ainda este ano vai organizar uma Conferência Nacional de unidade e reconciliação, mas sem precisar a data. Para preparar o encontro, reuniões dos conselhos distritais estão a ser promovidas para “receber subsídios dos militantes de base”.

© e-Global Notícias em Português
Comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Topo