Projetos ambientais entram em fase de implementação

Está em curso em São Tomé e Príncipe a instalação de Estações Hidro-meteorológicas no âmbito do projeto Sistema de Alerta Precoce.

Serão instaladas, no total, 22 estações hidro-meteorológicas nas duas ilhas, que vão permitir fazer previsões meteorológicas, assim como das cheias e inundações previstas para o país.

A empresa espanhola, ADASA, responsável pela instalação dos equipamentos, encontra-se no país com dois técnicos para, numa primeira fase, em conjunto com técnicos nacionais, instalar as 9 estações meteorológicas na ilha de São Tomé, mais os dois centros de recolha de informação no Instituto Nacional de Meteorologia e na Direção dos Recursos Naturais e Energia.

O Centro irá estar dotado de todas as condições para que o meteorologistas possam receber as informações das estações e depois partilhá-las.

A taxa de cobertura do INM passará de 20 para 60% do território.

O Projeto “Reforço das Informações sobre o Clima e Sistemas de Alerta Precoce em São Tomé e Príncipe para o desenvolvimento resiliente ao clima e adaptação às mudanças climáticas” tem por objetivo fortalecer as capacidades de monitorização do clima no arquipélago com um sistema de alerta precoce que garanta a disponibilidade de informações e respostas aos choques climáticos para uma melhor adaptação às mudanças climáticas. Conta com o financiamento do GEF/PNUD para quatro anos, 2014-2017.

Por outro lado, São Tomé e Príncipe começa este ano a transformar o lixo em energia limpa, através de tecnologias modernas. A perspetiva, segundo o diretor do Ambiente, é melhorar o ecossistema natural e florestal do arquipélago.

Nesta fase inicial do projecto, pelo menos quatro comunidades rurais vão estar envolvidas no projeto de desenvolvimento sustentável. A ideia é fazer-se uma gestão equilibrada dos lixos, declarou Arlindo Carvalho na abertura de um seminário de uma semana, destinada aos técnicos nacionais para o aprofundamento de conhecimentos na matéria.

A acumulação do lixo transformou-se num sério problema de saúde pública. O projeto vai contribuir para melhorar a saúde e a vida nestas quatro comunidades rurais isoladas do país, que estão localizadas na zona tampão.

O adido para a Cooperação da Embaixada de Portugal em São Tomé e Príncipe, António Machado, referiu-se ao impacto deste projeto na vida das pessoas beneficiadas, uma vez que não vão ter necessidade de apanhar lenha para cozinhar e mais tempo poderá ser dedicado à agricultura.

Loi Heng, em representação do ministro das Infra-estruturas, Recursos Naturais e Meio Ambiente, entende que o projeto reduz a poluição, vai alterar e melhorar o comportamento social das pessoas, sublinhando que o ambiente atualmente está cada vez mais degradado e ameaçado.

O projeto vai ser executado pela empresa portuguesa Eco – Visão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.




Artigos relacionados

Moçambique: INSS forma quadros em matéria de aposentação obrigatória

Moçambique: INSS forma quadros em matéria de aposentação obrigatória

Mais de 40 técnicos, afetos nas diferentes áreas e unidades orgânicas do Instituto Nacional de Segurança Social (INSS), iniciaram, esta…
Brasil: bloqueio da aplicação Telegram 

Brasil: bloqueio da aplicação Telegram 

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes revogou neste domingo (20) a decisão, assinada por ele mesmo…
Moçambique: Chuvas intensas "desligam" o país ao longo da estrada EN1

Moçambique: Chuvas intensas "desligam" o país ao longo da estrada EN1

Desde o sábado passado, Moçambique está dividido, em resultado do arrastamento pelas águas das chuvas, de duas pontes ao longo…
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin