STP: Governo de Bom Jesus pede calma à população

O Governo de São Tomé e Príncipe, liderado pelo Primeiro-ministro Jorge Bom Jesus, exortou esta segunda-feira a população a manter a calma face à situação reinante no Tribunal Constitucional, em que dois dos cinco juízes decidiram pela recontagem de votos das eleições presidenciais de 18 de Julho enquanto outros três decidiram remeter uma carta ao Presidente da República alegando o anormal funcionamento deste Tribunal.

A reação do governo foi manifestada num comunicado lido pelo Secretario de Estado da Comunicação Social, Adelino Lucas, tendo em conta o acórdão nº9/2021 do Tribunal Constitucional, tornado público domingo, assinado por dois dos cinco Juízes Conselheiros, ordenado para a recontagem de votos de 18 de julho face a um recurso interposto por um dos candidatos.

Adelino Lucas acrescentou que esta reação do governo deve-se ainda a uma carta “remetida hoje ao Presidente da República, com cópia para Primeiro-ministro, assinada pelos 3 Juízes deste Tribunal que não subscreveram o referido acórdão, alegando o seu anormal funcionamento deste Tribunal”.

“Em face da situação reinante no Tribunal Constitucional, o Governo tudo fará, em concertação com os outros Órgãos de Soberania, para encontrar uma rápida solução para a situação, dentro dos limites da lei, de forma a que o processo eleitoral em curso e o próprio regime democrático não sejam colocados em causa e que a imagem do País não seja, de alguma forma, beliscada”, disse Adelino Lucas.

O porta-voz do Executivo sublinhou que “o governo exorta toda população para se manter calma e serena e não seguir os discursos incendiários de alguns políticos irresponsáveis, que apenas querem satisfazer os seus interesses particulares e não se preocupam com o bem comum e com as grandes conquistas que o País tem alcançado, no que toca à consolidação da democracia, do Estado de Direito e a garantia da paz social”.

Lucas disse ainda que “o governo da República Democrática de São Tomé e Príncipe defende e respeita o sacrossanto princípio constitucional que estabelece a separação e interdependência dos Poderes, pelo que, nunca se intrometeu, não se intromete e jamais se intrometerá na esfera de competência de outros Órgãos de Soberania e nunca orientou ou tentou, de alguma forma, adulterar ou influenciar as decisões dos Tribunais”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.




Artigos relacionados

Moçambique: IESE diz que Covid-19 não foi principal causa de recessão do país

Moçambique: IESE diz que Covid-19 não foi principal causa de recessão do país

O Instituto de Estudos Sociais e Económicos (IESE) considera que a Covid-19 não foi a principal causa da recessão económica em Moçambique.…
Guiné-Bissau: Presidente exonera Chefe de Estado-maior da armada e vice do Exército

Guiné-Bissau: Presidente exonera Chefe de Estado-maior da armada e vice do Exército

Segundo uma nota do Gabinete de Comunicação da Presidência da República, citando o Decreto Presidencial, “é o Contra Almirante, Carlos…
Timor-Leste: Elaboração do Plano de Urbanização de Díli aprovada

Timor-Leste: Elaboração do Plano de Urbanização de Díli aprovada

O Conselho de Ministros de Timor-Leste aprovou a elaboração do Plano de Urbanização de Díli. O objetivo é melhorar a…
Angola: Governo aprova mais de 15 mil milhões de kwanzas para Agricultura e Pescas

Angola: Governo aprova mais de 15 mil milhões de kwanzas para Agricultura e Pescas

O ministro da Agricultura e Pescas de Angola, António Francisco de Assis, informou que foram aprovados mais de 15 mil…
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin