STP: Juíza Natacha Amado Vaz pede afastamento no processo de apuramento dos resultados das eleições

O apuramento dos resultados das eleições realizadas em São Tomé e Príncipe no domingo, 07 de outubro, continua a causar atribulações no país. Um dos assuntos polémicos tem como protagonista a juíza Natacha Amado Vaz, vítima de perseguição após alguns manifestantes são-tomenses terem tomado conhecimento de que a magistrada estaria alegadamente a favorecer o partido ADI na recontagem de votos nulos e brancos.

Os manifestantes chegaram mesmo a provocar tumultos em frente ao edifício da Comissão Eleitoral Distrital durante a noite de segunda-feira, 08 de outubro, tendo também queimado a viatura de Natacha Amado Vaz, presidente da Assembleia de Apuramento distrital.

A juíza são-tomense, que teve de sair nessa noite escoltada pelos militares, decidiu pedir agora ao Tribunal Constitucional o seu afastamento no processo de apuramento distrital de Água Grande no âmbito das eleições, avançou a agência “STP-Press”.

No comunicado de afastamento, a magistrada afirmou que nem “a Comissão Eleitoral Nacional [CEN] nem o Tribunal Constitucional [TC] diligenciaram no sentido de esclarecer os partidos políticos e a população que o procedimento feito pela Comissão Distrital de Água Grande corresponde a prática em todos os processos eleitorais”.

Natacha Amado Vaz considera que, da parte da CEN e do TC, “não foi esclarecida publicamente essa situação para eliminar suspeição” sobre si e sobre a sua reputação, além do facto destes incidentes terem impedido “a continuação dos trabalhos”.

Deixe uma resposta




Artigos relacionados

Guiné-Bissau: Governo extingue feriados nacionais e é acusado de violar a lei e a história

Guiné-Bissau: Governo extingue feriados nacionais e é acusado de violar a lei e a história

O Governo guineense através do Decreto nº 1/2023 de 19 de Janeiro determinou que 23 de Janeiro, outrora dia dos…
Moçambique: MONARUMO defende isenção do IVA para água e energia

Moçambique: MONARUMO defende isenção do IVA para água e energia

O Movimento Nacional para Recuperação da Unidade Moçambicana (MONARUMO) comentou a recente diminuição do Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA),…
Angola garante usar 77% de energia renovável até 2027

Angola garante usar 77% de energia renovável até 2027

O chefe de Estado angolano, João Lourenço, assumiu o compromisso de o país usar 77% de energia renovável até 2027. …
Cabo Verde: Turismo e privatizações financiam fundo contra pobreza extrema

Cabo Verde: Turismo e privatizações financiam fundo contra pobreza extrema

O turismo e privatizações em Cabo Verde decidiram financiar o fundo MAIS, definido pelo Governo e criado com o objetivo…