STP: Maria das Neves anuncia oficialmente a sua candidatura às eleições presidenciais

Maria das Neves, antiga Primeira-ministra São-tomense, e militante do Partido MLSTP/PSD no poder, fez na passada terça-feira a apresentação oficial da sua candidatura, como independente, às eleições presidenciais de 18 de Julho.

Maria das Neves, reconhece a necessidade de se mudar o país para um clima de estabilidade política e social, e disse estar “ciente de que é possível um São Tomé e Príncipe melhor, onde todos e cada cidadão ou cidadã possa desfrutar de uma vida mais condigna e exercer a sua cidadania plena, num clima de unidade na diversidade e de estabilidade política e social”.

A candidata disse que “anunciou-vos formalmente hoje a minha candidatura às eleições de 18 de julho próximo” e afirmou que “trata-se como sempre de uma candidatura pessoal e apartidária, uma candidatura de futuro e de esperança, cujo único partido em cena chama-se São Tomé e Príncipe”.

“A Presidente da República não é representante de um grupo ou de um partido apenas, mas sim, de todos os são-tomenses”, disse para depois acrescentar que “é com esse espirito de diálogo permanente, de união de forças e de muito trabalho que me coloco a disposição do meu País”.

Tendo declarado que “a decisão que acabo de assumir nesse momento, não foi, não é e nem será fácil”, a candidata sustentou que “na realidade foi fruto de uma intensa reflexão, inclusive, quando estive a rever o meu livro que tem São Tomé e Príncipe como protagonista de um projecto sustentável de desenvolvimento”.

Maria da Neves disse que “o facto de haver 19 candidatos é porque o País não está bem”, para depois sublinhar que “quando a casa esta desarrumada é a mãe, a mulher que nos ajuda a arruma-la, a organizá-la”, concluindo que “por isso, entro nesta corrida porque acredito que é possível mudar São Tomé e Príncipe”

Parafraseando Santo Agostinho, Maria das Neves disse que “ a esperança tem duas lindas filhas: a indignação e a coragem; A indignação ensina a não aceitar as coisas como são e a coragem ensina a mudá-las”.
“Saber o que fazer é correcto e não o fazer, é falta de coragem” acrescentou Maria das Neves parafraseando o filósofo da antiguidade chamado Confúcio.

“Por isso peço incessantemente a Deus que me dê força e coragem necessárias para guiar-me na senda dessa jornada, porque São Tomé e Príncipe precisa avançar”, concluiu a candidata.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *




Artigos relacionados

Guiné-Bissau: Administração pública instrumento dos políticos para pagarem apoios

Guiné-Bissau: Administração pública instrumento dos políticos para pagarem apoios

A Rede Oeste Africana para Edificação da Paz (WANEP) denuncia ajuste de conta na administração pública guineense e alerta para…
Moçambique: Governo analisa Proposta da Estratégia da Política da Juventude

Moçambique: Governo analisa Proposta da Estratégia da Política da Juventude

O Governo moçambicano e os seus parceiros querem operacionalizar a Proposta de Estratégia de Implementação da Política da Juventude 2023-2024.…
Angola prevê crescimento económico de cerca de 3%

Angola prevê crescimento económico de cerca de 3%

O secretário de Estado para o Planeamento de Angola, Luís Epalanga, avançou que a economia do país deverá alcançar um crescimento…
Guiné-Bissau: Partidos alertam para a agudização da instabilidade e caos total

Guiné-Bissau: Partidos alertam para a agudização da instabilidade e caos total

A Coligação PAI Terra Ranka e o Fórum para a Salvação da Democracia, que congrega MADEM-G15, PRS e APU-PDGB, reuniram…