STP prepara-se para melhorar a sua capacidade no combate à pirataria

Magistrados judiciais e do Ministério Público, assim como todos os agentes envolvidos no combate à pirataria e outros tipos de crimes ligados ao mar estão a ser formados no “Quadro Legal aplicável à pirataria e outros crimes marítimos”.

O objectivo é dotá-los das ferramentas necessárias para que São Tomé e Príncipe esteja preparado para enfrentar as redes de crime organizado que operam nas águas do Golfo da Guiné.

Segundo o representante da União Europeia, muitas agências e instituições dos países do Golfo da Guiné não estão preparadas para processar este tipo de crime.

“Por isso, a União Europeia vem desde 2015, no seu programa global de combate ao crime marítimo, apoiando os Estados do Golfo da Guiné a fortalecerem-se e melhorarem as suas capacidades na luta contra o crime marítimo”, precisou Albert Losseau.

Katarzyna Wawiernia, na qualidade de Coordenadora Residente interina das Nações Unidas, disse que “para que o combate à pirataria seja eficaz, é necessário que haja cooperação e colaboração entre todos os agentes de aplicação da lei marítima e qualquer outra instituição que lute contra estas actividades ilegais”.

Ao presidir a cerimónia de abertura, a Ministra da Justiça, Administração Pública e Direitos Humanos afirmou que a luta contra a pirataria e outros crimes constituem uma das prioridades inadiáveis para o seu governo, “tendo em conta os impactos negativos para o desenvolvimento económico e social, que poderão advir para essas ilhas cercadas pelo oceano atlântico”.

Ivete Lima acrescentou que é “imperativo que encontremos a melhor abordagem para enfrentar essas ameaças e garantir a paz e a segurança do nosso povo”.

O crime marítimo é um grande problema enfrentado pelos Estados do Golfo da Guiné e as suas consequências não se limitam às fronteiras da África Central. São sentidas nas regiões fronteiriças e também em todos os países da comunidade internacional.

Esta acção de formação surge como consequência da última avaliação realizada no país pela UNODC, de 28 de Outubro a 01 de Novembro de 2019), sobre o Quadro legal aplicável à pirataria e outros crimes marítimos.

A UNODC organiza formações, workshops, avaliações jurídicas fornece equipamentos e apoia a colaboração e cooperação ao nível nacional, regional e internacional no combate contra a droga e o crime, mais especificamente através do Programa global de combate ao Crime Marítimo, contra a pirataria e outros tipos de crimes marítimo.

Em São Tomé e Príncipe, a UNODC avaliou o quadro jurídico e produziu um relatório com várias recomendações. Em cooperação com a UNODC, São Tomé e Príncipe elaborou um parágrafo sobre pirataria e jurisdição que foi incluído na revisão do seu código criminal.

A formação de três dias esteve inserida no “Programa de Apoio à Estratégia de Segurança e Protecção Marítima na África Central” (PASSMAR). É financiado pela União Europeia, em parceria com o escritório das Nações Unidas contra a droga e crimes, UNODC.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.




Artigos relacionados

Rússia recusa discutir segurança nuclear em Chernobyl

Rússia recusa discutir segurança nuclear em Chernobyl

A Rússia rejeitou nesta segunda-feira, 07 de março, a proposta da Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA) para uma reunião…
Moçambique: INSS apela a contribuintes da empresa Dougongo Cimentos a aderir ao uso do sistema on-line

Moçambique: INSS apela a contribuintes da empresa Dougongo Cimentos a aderir ao uso do sistema on-line

A brigada da Delegação distrital do Instituto Nacional de Segurança Social (INSS) de Matutuine, na província de Maputo, deslocou-se, na…
Cabo Verde: Walter Barros luta contra a criminalidade com o projeto “Believe”

Cabo Verde: Walter Barros luta contra a criminalidade com o projeto “Believe”

O projeto “Believe”, foi criado dentro da cadeia de são Martinho pelo Walter Barros, em novembro de 2017 depois de…
Guiné Equatorial acolhe delegação da CPLP

Guiné Equatorial acolhe delegação da CPLP

Uma delegação da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) aterra na Guiné Equatorial esta segunda-feira, 07 de março, segundo…
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin