São Tomé e Príncipe

STP propõe à Rússia que use o arquipélago como entreposto comercial

A ministra dos Negócios Estrangeiros, Cooperação e Comunidade propôs a Rússia que utilize São Tomé e Príncipe como “entreposto comercial” com os países da região do Golfo da Guiné.

«Se tivermos cá um entreposto comercial, um armazém internacional – tal como fazem os grandes países somo a China – em que as pessoas podem vir aqui comprar, ao invés de irem até a Rússia e relançar São Tomé e Príncipe como uma base comercial, seria muito interessante para o nosso pai», disse Elsa Pinto a jornalistas.

«Nós estamos numa zona geográfica que é um grande mercado e a Rússia que quer um espaço de intervenção em África poderá utilizar São Tomé e Príncipe como um grande entreposto comercial e a partir daqui poder levar tudo o que é de bom para o resto do continente», acrescentou.

Elsa Pinto pensa o país pode tirar “muito proveito com a cooperação com a Rússia, sobretudo, em matéria de alterações climáticas, energias renováveis, formação, educação e cultura”.

«Neste momento, temos que afinar os objetivos de desenvolvimento entre a África e a Rússia. A Rússia é uma potência, mas importa que as nossas vontades e os nossos interesses se reencontrem, para voltarmos a retomar aquela cooperação estratégica básica. E isso terá de ser feito num espaço de concertação», sublinhou Elsa Pinto. Ela espera que os dois países analisem a questão e cheguem a um acordo.

Os dois estados completaram neste fim de semana 45 anos do estabelecimento de relações diplomáticas e o governo santomense considera ser necessário os dois países revisitarem os acordos de cooperação bilateral, focado mais em acordos comerciais.

De acordo com a chefe da diplomacia santomense, estava prevista uma visita do seu homólogo russo a São Tomé e Príncipe no inicio deste ano, uma ocasião em que poderiam ser revistas novas áreas de cooperação entre os dois países, partindo da posição estratégica de São Tomé no Golfo da Guiné.

«A expectativa é bastante elevada, a Rússia voltou-se para nós outra vez. Já tivemos várias missões aqui a nível de embaixador, estabelecemos um quadro, já tínhamos reuniões marcadas», que se atrasaram devido o surgimento da Covid-19.

Em 2004, a Rússia perdoou 70 por cento da dívida externa de São Tomé e Príncipe, que o executivo considerou como “um gesto muito apreciável”. Hoje o governo espera um novo reencontro na cooperação entre os dois estados.

“A Rússia acredita que chegou o momento de voltar outra vez para África e o continente está aqui a espera”, explicou Elsa Pinto, considerando que os 45 anos de relações diplomáticas com a Federação Russa, deixaram “marcas”.

«Temos muita gente que tem a Rússia no coração, sobretudo médicos, engenheiros, uma grande classe que emerge daqueles tempos da União Soviética. Não há melhor coisa do que a relação entre dois estados”, acrescentou a ministra dos Negócios Estrangeiros, Cooperação e Comunidades.

Pelos 45 anos de relações diplomáticas entre os dois países, o embaixador russo numa carta de felicitação recordou momentos que caracterizaram a cooperação entre os dois países.

«A União Soviética prestou toda a ajuda possível na formação do Estado Sã-tomense. Enviámos para São Tomé equipas de especialistas técnicos e médicos, o que foi de importância vital sobretudo nas condições em que o país sentiu muita falta dos quadros profissionais nacionais», escreveu Vladmir Tararov.

«Não poupámos esforços no fornecimento do equipamento diverso, na prestação de assistência na estruturação do setor agrícola e pecuário. etc. Desenvolvemos de forma ativa a cooperação na área de defesa: a União Soviética desempenhou o papel-chave na criação e capacitação das Forças Armadas Santomenses», acrescentou.

Após a queda da União Soviética, o governo da Federação da Rússia continuou a conceder de bolsas de estudo para os estudantes santomenses. Atualmente são poucos os quadros do arquipélago a estudarem na Rússia. Cerca de uma vintena,

«Hoje em dia os nossos países têm-se empenhado em reforçar cada vez mais as relações existentes de amizade e de cooperação com base nos princípios de igualdade, respeito mútuo pela soberania e não interferência nos assuntos internos», destacou o diplomata na sua missiva.

Em outubro último, Elsa Pinto representou São Tomé e Príncipe na Cimeira Rússia- África na cidade russa de Sochi, onde os dois Estados acordaram em reativar a cooperação bilateral, sobretudo, nas áreas educação, segurança marítima, ambiente, diplomacia internacional, petróleos entre outras.

© e-Global Notícias em Português
Comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Topo