Timor-Leste: CNE vai recrutar 1.200 oficiais para monitorizar eleições

A Comissão Nacional de Eleições (CNE) de Timor-Leste anunciou o recrutamento de 1.200 oficiais entre novembro e dezembro. Tal irá ser feito no âmbito da monitorização dos centros de votação em todo o território timorense em 2022, ano das eleições presidenciais.  

De acordo com o Presidente da CNE, José Agostinho Belo, os oficiais vão supervisionar todos os processos das eleições presidenciais em cada suco. Será dada atenção à movimentação dos eleitores no terreno, para que esta seja relatada mais tarde à CNE. 

Também segundo Agostinho Belo, o recrutamento é uma das prioridades atuais da CNE, que visa garantir o sufrágio no próximo ano. 

Ao todo, Timor-Leste possui 452 sucos em todo o território nacional, bem como 2.233 vilas, aldeias e lugares.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.




Artigos relacionados

MPLA, FRELIMO, ANC e SWAPO querem formação contínua dos militantes

MPLA, FRELIMO, ANC e SWAPO querem formação contínua dos militantes

Militantes e delegados dos partidos MPLA (Angola), FRELIMO (Moçambique), ANC (África do Sul) e SWAPO (Namíbia) terminam neste sábado, 26…
Moçambique: Autarquias locais mantêm dependência do OE

Moçambique: Autarquias locais mantêm dependência do OE

O presidente da Comissão de Administração Pública e Poder Local da Assembleia da República de Moçambique, Francisco Mucanheia, chefiou um…
Timor-Leste: Construção do Porto de Tíbar alcançou os 72% em 2021

Timor-Leste: Construção do Porto de Tíbar alcançou os 72% em 2021

O Ministério das Finanças de Timor-Leste informou, através de um documento, que a construção do Porto de Tíbar chegou a 72%…
Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Na província moçambicana de Nampula, 17.182 trabalhadores foram empurrados para o desemprego nos dois últimos anos na sequência da paralisação…
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin