Timor-Leste: Gabinete de Crise do primeiro-ministro vai acompanhar Covid-19

O primeiro-ministro timorense, Taur Matan Ruak, informou que o seu Gabinete de Gestão de Crise vai acompanhar a situação da Covid-19 em Timor-Leste. O anúncio ocorreu nesta quinta-feira, 25 de novembro, pela “Tatoli”. 

“Dei as minhas instruções ao CIGC [Centro Integrado de Gestão de Crisepara efetuar um reajustamento, pois no meu gabinete também existe o gabinete de crise. Quando enfrentarmos uma situação de crise, este gabinete vai transformar-se em Sala de Situação”, começou por explicar. 

“Analisamos atualmente o seu reajustamento e a composição mínima de uma equipa de acompanhamento”, acrescentou. 

As declarações foram feitas depois de um encontro com o Presidente de Timor-Leste, Francisco Guterres Lu-Olo. 

Segundo o artigo 29.º da Lei da Segurança Nacional e o artigo 6.º do Decreto-Lei 24/2020, cabe ao primeiro-ministro reativar o CIGC. Este órgão é liderado pelo chefe do Governo, que tem como missão garantir diariamente a divulgação da situação epidemiológica no país.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.




Artigos relacionados

MPLA, FRELIMO, ANC e SWAPO querem formação contínua dos militantes

MPLA, FRELIMO, ANC e SWAPO querem formação contínua dos militantes

Militantes e delegados dos partidos MPLA (Angola), FRELIMO (Moçambique), ANC (África do Sul) e SWAPO (Namíbia) terminam neste sábado, 26…
Moçambique: Autarquias locais mantêm dependência do OE

Moçambique: Autarquias locais mantêm dependência do OE

O presidente da Comissão de Administração Pública e Poder Local da Assembleia da República de Moçambique, Francisco Mucanheia, chefiou um…
Timor-Leste: Construção do Porto de Tíbar alcançou os 72% em 2021

Timor-Leste: Construção do Porto de Tíbar alcançou os 72% em 2021

O Ministério das Finanças de Timor-Leste informou, através de um documento, que a construção do Porto de Tíbar chegou a 72%…
Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Na província moçambicana de Nampula, 17.182 trabalhadores foram empurrados para o desemprego nos dois últimos anos na sequência da paralisação…
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin