Timor-Leste: Ordenamento jurídico timorense junta-se à Base de Dados Jurídica Legis-PALOP

O ordenamento jurídico de Timor-Leste já faz parte da Base de Dados Jurídica Legis-PALOP, instrumento que agrega também a legislação, jurisprudência e doutrina dos países africanos lusófonos. A mudança deve-se ao lançamento formal da plataforma Legis-PALOP+TL, em Díli, ocorrido na passada quinta-feira, 26 de setembro.

A Legis-PALOP+TL, lançada pelo ministro da Justiça de Timor-Leste, Manuel Cáceres da Costa, contribui para a plataforma com a legislação e jurisprudência publicadas no país nas duas últimas décadas, num total de mais de 3.500 de documentos legais, segundo um comunicado do instituto Camões, gestor do Projeto de Apoio à Consolidação do Estado de Direito nos PALOP e Timor-Leste (PACED), apoiado pela União Europeia.

O PACED visa a “a afirmação e consolidação” do Estado de direito nos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP) e Timor-Leste, bem como a prevenção e luta contra a corrupção, branqueamento de capitais e criminalidade organizada, principalmente o tráfico de estupefacientes, centrando-se a intervenção em “ações destinadas a capacitar as autoridades competentes ao nível legislativo, executivo e judiciário, promovendo o intercâmbio e partilha de conhecimento e de boas práticas”.

O projeto começou em outubro de 2014 e estende-se até dezembro deste ano, executando um orçamento global de 8,4 milhões de euros. Atualizada diariamente, a Base de Dados Legis-PALOP conta atualmente com mais de 60 mil documentos jurídicos, entre legislação, jurisprudência e doutrina, a que acrescem versões consolidadas de códigos e principal legislação.

A plataforma identifica ainda o estado de vigência dos diplomas de Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, São Tomé e Príncipe e, agora, de Timor-Leste. Os utilizadores do portal têm também acesso a um glossário jurídico com cerca de cinco mil temas.

Com mais de 15 mil utilizadores em todo o mundo, ligados às áreas jurídica, administração pública, diplomacia, organizações internacionais, setor privado e mundo académico, entre outras, esta plataforma é gratuita para sumários de legislação, encontrando-se o acesso integral à mesma sujeito a subscrição, “cujos valores revertem para a sustentabilidade das unidades responsáveis pela manutenção e atualização da Base de Dados em cada país”.

Entre a informação jurídica disponível podem ver-se todos os atos normativos publicados desde as independências nacionais até à atualidade, além de milhares de acórdãos das instâncias superiores, doutrina e documentos relevantes produzidos pelas procuradorias gerais das repúblicas, ordens de advogados e instituições académicas, sendo igualmente disponibilizados os respetivos jornais oficiais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.




Artigos relacionados

Banco de Portugal fala de poucos oligarcas russos visados pelas sanções

Banco de Portugal fala de poucos oligarcas russos visados pelas sanções

O Banco de Portugal (BdP) instruiu os bancos para congelarem as contas de oligarcas russos, no âmbito das sanções aplicadas…
Moçambique: Deslocados autorizados a regressar a Mocímboa da Praia

Moçambique: Deslocados autorizados a regressar a Mocímboa da Praia

A Secretaria Distrital de Mocímboa da Praia, vila moçambicana da província de Cabo Delgado, informou as autoridades do distrito de Palma…
Guiné-Bissau satisfeita com a visita do primeiro-ministro português António Costa

Guiné-Bissau satisfeita com a visita do primeiro-ministro português António Costa

“A visita do primeiro-ministro [português] deixou os guineenses contentes. Portugal é um país irmão e não um amigo da Guiné-Bissau”,…
Ucrânia: Lviv não consegue acolher mais refugiados

Ucrânia: Lviv não consegue acolher mais refugiados

O presidente da Câmara de Lviv, Andriy Sadoviy, informou à “Reuters” que a cidade esgotou a sua capacidade para acolher…
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin