Timor-Leste: Partidos apoiam Lu-Olo na data escolhida para presidenciais

O Presidente da República de Timor-Leste, Francisco Guterres Lu-Olo, vai ser apoiado por quatro partidos na decisão que vier a tomar acerca da marcação da data das eleições presidenciais, que decorrerão em 2022.

A afirmação foi feita pelos próprios, sendo eles o Congresso Nacional para a Reconstrução de Timor-Leste (CNRT), a União Democrática Timorense (UDT), o Kmanek Unidade Haburas Nasionál Timor Oan (KHUNTO) e a Unidade e Desenvolvimento Democrático (PUDD).

O chefe de Estado e os quatro partidos tiveram uma reunião nesta sexta-feira, 07 de janeiro, para debaterem a data das presidenciais.

Segundo uma declaração recente do Presidente da Comissão Nacional de Eleições (CNE), José Agostinho Belo, o governante Lu-Olo iria anunciar na segunda semana de janeiro a data do sufrágio em questão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.




Artigos relacionados

Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Na província moçambicana de Nampula, 17.182 trabalhadores foram empurrados para o desemprego nos dois últimos anos na sequência da paralisação…
Presidente da Rússia pede a Exército ucraniano para tomar o poder

Presidente da Rússia pede a Exército ucraniano para tomar o poder

O Presidente russo, Vladimir Putin, apelou ao Exército ucraniano para que retirasse o apoio ao Governo ucraniano, o que significa…
Ucrânia confirma ataques da Rússia a creches e orfanatos

Ucrânia confirma ataques da Rússia a creches e orfanatos

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Ucrânia, Dmytro Kuleba, confirmou os relatos de ataques e bombardeamentos a creches e orfanatos…
Rússia prende mais de 1.800 manifestantes que são contra a guerra

Rússia prende mais de 1.800 manifestantes que são contra a guerra

As autoridades russas detiveram mais de 1.800 manifestantes que se opuseram à invasão à Ucrânia.  “Nós estamos preocupados com as…
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin