Timor-Leste quer trabalhar com ONU contra alterações climáticas

A ministra dos Negócios Estrangeiros e Cooperação de Timor-Leste, Adaljiza Magno, declarou que o país está empenhado em trabalhar com a Organização das Nações Unidas (ONU) na concretização da solidariedade global contra as alterações climáticas. 

A informação foi avançada através de um comunicado, divulgado pela agência de notícias “Tatoli”. “Acreditamos que as Nações Unias são um fórum indispensável que permite aos países sentarem-se juntos e encontrarem soluções para o problema do aquecimento global”, pode ler-se no documento, que cita Adaljiza Magno. 

As afirmações foram feitas por ocasião da celebração do dia da ONU. Segundo a ministra timorense, o multilateralismo é a principal opção para abordar as alterações climáticas, uma vez que os problemas globais não podem ser resolvidos por um único país. 

A ONU referiu no mesmo comunicado que Timor-Leste é vulnerável aos impactos das alterações climáticas. “A adaptação às mudanças climáticas e a gestão do risco de desastres naturais são prioridades essenciais para a cooperação entre o Governo e as Nações Unidas em Timor-Leste”, indica a nota, que menciona o Coordenador Residente da ONU, Roy Trivedy.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.




Artigos relacionados

MPLA, FRELIMO, ANC e SWAPO querem formação contínua dos militantes

MPLA, FRELIMO, ANC e SWAPO querem formação contínua dos militantes

Militantes e delegados dos partidos MPLA (Angola), FRELIMO (Moçambique), ANC (África do Sul) e SWAPO (Namíbia) terminam neste sábado, 26…
Moçambique: Autarquias locais mantêm dependência do OE

Moçambique: Autarquias locais mantêm dependência do OE

O presidente da Comissão de Administração Pública e Poder Local da Assembleia da República de Moçambique, Francisco Mucanheia, chefiou um…
Timor-Leste: Construção do Porto de Tíbar alcançou os 72% em 2021

Timor-Leste: Construção do Porto de Tíbar alcançou os 72% em 2021

O Ministério das Finanças de Timor-Leste informou, através de um documento, que a construção do Porto de Tíbar chegou a 72%…
Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Na província moçambicana de Nampula, 17.182 trabalhadores foram empurrados para o desemprego nos dois últimos anos na sequência da paralisação…
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin