Timor-Leste: Universidades aguardam recomendações do Ministério da Saúde

O ministro do Ensino Superior, Ciência e Cultura de Timor-Leste, Longuinhos dos Santos, salientou a necessidade das recomendações do Ministério da Saúde em relação ao recomeço das aulas presenciais em todas as universidades públicas e privadas.

O governante informou que o ministério que representa já enviou uma carta a pedir as recomendações à entidade responsável, antes de começarem as aulas.

“O Governo decidiu ontem levantar o confinamento obrigatório. O recomeço das atividades presenciais do ensino superior público e privado dependerá das recomendações do Ministério da Saúde”, disse à margem da reunião extraordinária do Executivo.

Foi a 25 de agosto que o Ministério do Ensino Superior, Ciência e Cultura decidiu suspender as aulas presenciais de todas as universidades públicas e privadas, após a implementação do confinamento obrigatório durante duas semanas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.




Artigos relacionados

MPLA, FRELIMO, ANC e SWAPO querem formação contínua dos militantes

MPLA, FRELIMO, ANC e SWAPO querem formação contínua dos militantes

Militantes e delegados dos partidos MPLA (Angola), FRELIMO (Moçambique), ANC (África do Sul) e SWAPO (Namíbia) terminam neste sábado, 26…
Moçambique: Autarquias locais mantêm dependência do OE

Moçambique: Autarquias locais mantêm dependência do OE

O presidente da Comissão de Administração Pública e Poder Local da Assembleia da República de Moçambique, Francisco Mucanheia, chefiou um…
Timor-Leste: Construção do Porto de Tíbar alcançou os 72% em 2021

Timor-Leste: Construção do Porto de Tíbar alcançou os 72% em 2021

O Ministério das Finanças de Timor-Leste informou, através de um documento, que a construção do Porto de Tíbar chegou a 72%…
Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Na província moçambicana de Nampula, 17.182 trabalhadores foram empurrados para o desemprego nos dois últimos anos na sequência da paralisação…
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin