África Subsaariana | Economia

Apesar dos atrasos relacionados à Covid-19, Senegal e Mauritânia serão produtores de gás em 2023

Embora o desenvolvimento da província produtora de gás Grand Tortue tenha sido atrasado devido à pandemia do coronavírus, a produção de gás começará em dois anos no Senegal e na Mauritânia. Este prazo poderia ter sido mais longo, mas o envolvimento das partes interessadas desempenhou um papel fundamental na definição dessa agenda.

No ano passado, o surto do coronavírus afetou seriamente a continuidade do desenvolvimento de projetos de petróleo e gás, bem como as finanças das empresas do setor. O impacto da pandemia é tal que, embora a indústria espere uma ligeira recuperação em 2021, alguns projetos de exploração e produção não devem começar como planeado este ano.

Apesar deste contexto delicado, a nova Ministra do Petróleo senegalesa, Sophie Gladima, garantiu que o início da produção de gás natural no campo Grand Tortue, localizado nas águas marítimas senegalesas-mauritanas, terá início em 2023.

“Muitas atividades relacionadas ao desenvolvimento, como mobilização de recursos e pessoas, fases de construção em diferentes locais ao redor do mundo e instalações foram afetadas […]. O Senegal está a concentrar-se no desenvolvimento dos seus projetos de petróleo para atingir a sua meta de iniciar a produção a partir de 2023”, disse a ministra.

70 milhões de pés cúbicos de gás natural por dia na fase inicial

Na fase inicial do projeto, a BP e a Kosmos Energy extrairão 70 milhões de pés cúbicos de gás natural por dia e produzirão 2,5 milhões de toneladas de GNL por ano. A receita com a exportação desses combustíveis será dividida igualmente entre os dois países vizinhos.

Embora grande parte dessa produção seja exportada, o Senegal planeia usar a sua parcela de gás para gerar energia. O país injetará o combustível nas suas redes de geração de energia, nomeadamente por meio do mecanismo LNG-to-Powership, que consiste na produção de eletricidade numa instalação flutuante com GNL.

Em setembro de 2019 foi assinado um acordo entre Dakar e a produtora turca Karpower para instalar a infraestrutura que terá uma capacidade de 235 MW, o suficiente para responder a 15% da procura do país. Essa capacidade será, então, injetada nas redes de distribuição controladas pela Senelec, empresa pública de geração, transmissão e distribuição de energia.

© e-Global Notícias em Português
Comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Topo