África Subsaariana | Crise

Ataque do Boko Haram mata 52 pessoas na Nigéria

Ataques por parte de militares suspeitos do Boko Haram deixaram mais de 50 mortos e 114 feridos nas cidades do nordeste da Nigéria, Maiduguri e Madagali, nas últimas 24 horas, de acordo com moradores e autoridades nigerianas.

Três jovens mulheres-bomba detonaram explosivos – duas junto a um mercado em Madagali, que matou 30 pessoas, segundo uma autoridade local, e uma outra num posto de controlo em Maiduguri, onde uma pessoa morreu.

Domingo à noite em Maiduguri, tropas nigerianas lutaram contra rebeldes armados do Boko Haram que tentavam entrar na cidade, que deixaram pelo menos 21 mortos e 91 feridos, de acordo com Mohammed Kanar, chefe da Agência de Gestão de Emergência Nacional (NEMA).

As tropas nigerianas tinha visto um grupo de combatentes armados do Boko Haram que tentavam atravessar uma trincheira para entrar na área de Jiddari Polo em Maiduguri e abriram fogo contra eles, segundo Babakura Kolo, um vigilante que auxilia os militares no combate ao Boko Haram. Essa cidade foi fortificada com trincheiras para evitar a infiltração do Boko Haram. “Alguns dos rebeldes conseguiram atravessar em Jiddari Polo e iniciaram uma batalha com os soldados com armas e explosivos”, afirmou Usman Bala, outro vigilante que auxilia os militares. O morador Madu Goni disse que a luta durou quase duas horas. “Isso forçou-nos a abandonar as nossas casas com medo”, disse Goni.

Horas mais tarde, na segunda-feira de manhã, uma adolescente mulher-bomba matou uma pessoa e feriu outras sete num ataque contra um posto de controlo no Kushari subúrbio de Maiduguri, declararam as autoridades. “A mulher-bomba misturou-se com a multidão e detonou os explosivos”, explicou um morador em Kushari que quis manter o anonimato por medo de represálias do Boko Haram. Dois outros residentes corroboraram esta história.

Ataques posteriores em Madagali, com duas jovens mulheres-bomba, deixou 30 mortos e pelo menos 16 feridos, de acordo com um funcionário do governo local, que pediu para não ser identificado.

O Estado de Adamawa faz fronteira com o Estado de Borno, um refúgio do Boko Haram. O grupo rebelde tem atacado frequentemente Madagali e em agosto de 2014 conquistou por pouco tempo a cidade, obrigando os moradores a fugir para a capital do estado de Yola, 225 quilómetros ao sul.

© e-Global Notícias em Português
Comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Topo