Corpo de Etienne Tshisekedi está há um mês em Bruxelas à espera para ser enterrado em Kinshasa

Um mês depois de ser anunciada oficialmente a morte do carismático líder da oposição congolesa, os restos mortais de Etienne Tshisekedi continuam a aguardar em Bruxelas para ser enterrado na República Democrática do Congo (RDC).

Se Etienne Tshisekedi fosse vivo, já tinha perdido a paciência. Depois de todas as cerimónias em Bruxelas, e “as visitas terem terminado”, os restos mortais de Tshisekedi não conseguem regressar à RDC.

O regresso do defunto Tshisekedi não para de gerar polémica. Um imbróglio que gira em torno do nome que irá organizar as exéquias do antigo líder da oposição no país. A oposição quer que seja o seu filho, Felix Tshisekedi, cujo nome foi proposto para o cargo de primeiro-ministro no quadro do Acordo de São Silvestre. Porém, o Acordo ainda não está a ser aplicado e o presidente da comissão de supervisão da aplicação do mesmo Acordo era precisamente o agora defunto Tshisekedi.

Por outro lado a oposição, congolesa também quer evitar que a Maioria Presidencial, tente capitalizar as exéquias a seu favor. A oposição exige que Tshisekedi seja colocado num imenso Mausoléu com 500 m2 no cemitério de Gombe em Kinshasa. Outra fação da oposição defende que o líder defunto deveria ser enterrado no bairro de Limete, onde viveu e onde está a sede do seu partido a UDPS, sugestões que não agradam à Maioria Presidencial.

A complicar a situação, Moise Katumbi, candidato à presidência contra a Maioria Presidencial, já declarou que pretendia regressar a Kinshasa com o corpo de Etienne Tshisekedi.

Para desbloquear este imbróglio post mortem, as autoridades belgas já se dispuseram a expatriar o corpo congelado de Etienne Tshisekedi às custas dos contribuintes belgas. Mas nenhuma resposta clara chegou de Kinshasa.

Deixe uma resposta




Artigos relacionados

Timor-Leste: PR diz que Brasil pode apoiar na autossuficiência na agricultura

Timor-Leste: PR diz que Brasil pode apoiar na autossuficiência na agricultura

O Presidente da República de Timor-Leste, José Ramos-Horta, partilhou publicamente que o Brasil pode apoiar o seu país a tornar-se…
Cabo Verde: PAICV comenta abandono da barragem de Canto de Cagarra

Cabo Verde: PAICV comenta abandono da barragem de Canto de Cagarra

Os deputados do PAICV eleitos por Santo Antão alertaram nesta quinta-feira, 05 de janeiro, para a situação de abandono da…
Mães e crias em migrações pouco pacíficas

Mães e crias em migrações pouco pacíficas

Uma mãe e a sua cria nadam, lado a lado, ao longo da costa numa zona de águas baixas. Depois…
Angola: FNLA fala de planos para 2023

Angola: FNLA fala de planos para 2023

O líder da Frente Nacional de Libertação de Angola (FNLA), Nimi a Nsimbi, comentou as atividades relevantes para este ano de…