FMI reavalia a perspetiva económica do Gabão

Depois de uma missão do Fundo Monetário Internacional (FMI) ter destacado em junho passado um “progresso lento em reformas estruturais”, uma nova delegação da instituição, está em Libreville para avaliar os recentes desenvolvimentos económicos no país. Assim, desde o passado dia 7 de novembro, foram iniciados os trabalhos de revisão do programa do Estado com a instituição de Bretton Woods.

“O nosso objetivo comum com o governo do Gabão é contribuir para o renascimento da economia nacional”, foi nestes termos que o representante residente do FMI no Gabão começou as suas observações durante a reunião com o ministro da economia Jean Marie Ogandaga. Para Boileau Loko, chefe da delegação do FMI, esta missão visa assegurar que “o Gabão possa continuar a ter um crescimento forte e inclusivo”, o que poderia ter um efeito relativamente grande na redução da pobreza.

De fato, após os resultados apresentados em junho passado, que tinham destacado “substanciais derrapagens orçamentais e lento progresso nas reformas estruturais”, era imperativo que a instituição avaliasse o desempenho do programa de apoio com o Gabão. Consciente dessas questões, Jean Marie Ogandaga disse que “as conclusões deste encontro nos permitirão ver como continuar nossa colaboração com nosso parceiro de desenvolvimento, o FMI”.

A missão será realizada em 10 dias e permitirá ao FMI avaliar as mudanças feitas pelo governo em termos de ajustes orçamentais e desempenho. Além disso, a missão, que também analisará o orçamento previsto para 2019, apresentará as suas conclusões sobre as previsões de crescimento anunciado e a realização de certos objetivos específicos.

Deixe uma resposta




Artigos relacionados

Guiné-Bissau: Governo extingue feriados nacionais e é acusado de violar a lei e a história

Guiné-Bissau: Governo extingue feriados nacionais e é acusado de violar a lei e a história

O Governo guineense através do Decreto nº 1/2023 de 19 de Janeiro determinou que 23 de Janeiro, outrora dia dos…
Moçambique: MONARUMO defende isenção do IVA para água e energia

Moçambique: MONARUMO defende isenção do IVA para água e energia

O Movimento Nacional para Recuperação da Unidade Moçambicana (MONARUMO) comentou a recente diminuição do Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA),…
Angola garante usar 77% de energia renovável até 2027

Angola garante usar 77% de energia renovável até 2027

O chefe de Estado angolano, João Lourenço, assumiu o compromisso de o país usar 77% de energia renovável até 2027. …
Cabo Verde: Turismo e privatizações financiam fundo contra pobreza extrema

Cabo Verde: Turismo e privatizações financiam fundo contra pobreza extrema

O turismo e privatizações em Cabo Verde decidiram financiar o fundo MAIS, definido pelo Governo e criado com o objetivo…