Gabão: Declarações do Papa sobre homossexualidade fragilizam Arcebispo de Libreville

A recente posição do Papa Francisco sobre o tema da homossexualidade veio enfraquecer ainda mais o Arcebispo de Libreville.

O Papa Francisco declarou na quarta-feira que é a favor da união civil de casais do mesmo sexo. Uma posição que enfraquece o arcebispo de Libreville, cuja atitude foi considerada ambígua durante o debate sobre a descriminalização da homossexualidade no Gabão em julho passado.

“Obviamente temos um problema com o bispo Iba-Bâ”, admitiu no início desta semana um cardeal próximo ao Papa Francisco.

Em julho passado, o governo gabonês decidiu, conforme uma tradição republicana estabelecida na década de 1960, reverter a criminalização da homossexualidade, votada um ano antes em condições muito polémicas.

A iniciativa foi apoiada na época pelo Vaticano, mas não pelo arcebispo de Libreville, cujo silêncio foi então amplamente interpretado como uma expressão da sua desaprovação.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.




Artigos relacionados

Ucrânia e Rússia adiam negociações para esta quinta-feira

Ucrânia e Rússia adiam negociações para esta quinta-feira

As negociações entre a Ucrânia e a Rússia foram adiadas para esta quinta-feira, 03 de março.  A delegação ucraniana está…
Portugal agradece à Roménia apoio no repatriamento de portugueses e ucranianos

Portugal agradece à Roménia apoio no repatriamento de portugueses e ucranianos

O primeiro-ministro português, António Costa, manifestou publicamente ao Presidente da Roménia, Klaus Iohannis, a sua gratidão pelo apoio prestado na…
Guiné-Bissau: PGR quer vigilância acrescida a pessoas com enriquecimento anormal

Guiné-Bissau: PGR quer vigilância acrescida a pessoas com enriquecimento anormal

O Procurador-geral da República (PGR) pediu aos magistrados para estarem atentos às pessoas que procuram vias fáceis para enriquecer, às…
Moçambique: Oposição critica "silêncio" do Governo sobre invasão à Ucrânia

Moçambique: Oposição critica "silêncio" do Governo sobre invasão à Ucrânia

A Renamo e o MDM, partidos moçambicanos da oposição, condenam a invasão da Rússia à Ucrânia. Ambos criticam o “silêncio”…
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin