África Subsaariana

Gabão sobe oito lugares no Índice de Abertura de Vistos

Segundo a edição de 2019 do Índice de Abertura de Vistos em África, lançada recentemente pelo Banco Africano de Desenvolvimento (BAD), em parceria com a Comissão da União Africana (UA), o Gabão subiu oito lugares neste ranking para a 42ª posição, encontrando-se entre os 13 que mais progressos fizeram desde a primeira edição em 2016.

Pela primeira vez, os africanos podem viajar em média em metade dos países do continente, 27 no total, sem visto ou com visto na chegada.

Nacionais de uma dúzia de países africanos podem entrar no Gabão hoje sem visto. O país é um dos que mais se esforçou para melhorar os procedimentos de visto no período de 2008 a 2018, conforme definido pela Organização Mundial de Turismo (OMT), e conforme demonstra nomeadamente a plataforma eVisa que foi criada para facilitar a entrada no seu território.

O relatório final também destaca os esforços do Gabão para apoiar a integração económica da África. O país ratificou a Área de Livre Comércio Continental Africana (CAFTA), assinou o Mercado Único do Transporte Aéreo Africano e o Protocolo sobre Livre Circulação de Pessoas na CEMAC.

Este ano, embora marcado por um progresso geral excecional, apenas a Etiópia superou o Gabão. O país liderado pelo primeiro-ministro e recente vencedor do Prémio Nobel da Paz, Abyi Ahmed, saltou 32 lugares para se tornar o 18º país mais favorável a vistos na África.

De referir que o índice de abertura de vistos na África mede o grau de abertura dos vários países africanos através do exame dos termos e condições solicitados aos nacionais de outros países africanos que desejam regressar.

Note-se que o Gabão não se pode dar ao luxo de ter modalidades muito flexíveis nesta área, correndo o risco de sofrer muita pressão migratória. O país, devido ao seu nível de riqueza e qualidade de vida, mas também à sua estabilidade, é um dos mais atraentes do continente. O sistema atual equilibra, portanto, a necessidade de abertura com a proteção legítima das fronteiras.

© e-Global Notícias em Português
Comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Topo