África Subsaariana

Gâmbia: Jeng pede desculpas depois de admitir que participou em 40 assassinatos

Alieu Jeng, das Forças Armadas da Gâmbia (GAF) e um membro do esquadrão da morte do ex-presidente Yahya Jammeh, compareceu pela segunda-vez perante a Comissão da Verdade, Reconciliação e Reparações (TRRC) na segunda-feira, admitindo sua participação nas mortes de Dawda Nyassi, Deyda Hydara, Haruna Jammeh, Manlafi Corr, Daba Marena, Alpha Bah, Masereh Jammeh, Alieu Ceesay, Jullia, Ebou Lowe e 30 migrantes da África Ocidental. Jeng também admitiu ter participado de mais de cinco torturas.

Explicando o assassinato dos migrantes africanos ocidentais, a testemunha disse que os transportou ao campo de fogo com Omar A. Jallow, aliás Oya, enquanto Malick Jatta e Sanna Manjang fizeram os tiroteios.

Jeng acrescentou que costumavam receber suas ordens de Solo Bojang através do Tumbul Tamba e do ex-presidente Yahya Jammeh.

No seu testemunho, o militar descreveu a morte de Haruna e relativamente às mortes de Manlafi Corr, Daba Marena, Masereh Jammeh, Alfa Bah, Alieu Ceesay, Jullia e Ebou Lowe, precisou que lhes foi dito que era um golpe de Estado.

Jeng confirmou a sua participação no transporte das vítimas, acrescentando que acreditava que as ordens vieram de Yahya Jammeh.

Relativamente à participação nos casos de tortura de mais de cinco pessoas, a testemunha disse que só participou transportando as vítimas da Prisão da Mile 2 para a NIA e pegando nas varas que foram usadas para o espancamento.

© e-Global Notícias em Português
Comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Topo