Guiné-Conacri: Professores mantêm greve por salários mais altos

O Sindicato Livre de Professores e Educadores da Guiné (SLECG) anunciou que mantém a greve por um aumento de salários até à obtenção de um salário-base de pelo menos 8 milhões de francos guineenses ou cerca de 500 mil francos CFA.

De acordo com o secretário-geral do SLECG, esta reivindicação sustenta-se num acordo assinado com o governo em 13 de março.

Para punir os grevistas, o governo decidiu congelar os salários para outubro e novembro.

Recorde-se que o SLECG requer atualização do salário base para oito milhões de francos guineenses (800 euros) e afirma que o governo não cumpriu os seus compromissos feitos durante a assinatura do acordo em março, que terminou após o conflito anterior mais de um mês de greve.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.




Artigos relacionados

Portugal pondera aumentar número de turmas para crianças ucranianas

Portugal pondera aumentar número de turmas para crianças ucranianas

O ministro da Educação em Portugal, Tiago Brandão Rodrigues, reafirmou nesta sexta-feira, 11 de março, que as escolas portuguesas estão preparadas…
EUA banem Rússia do regime normal de comércio internacional

EUA banem Rússia do regime normal de comércio internacional

Os Estados Unidos da América (EUA) e os aliados decidiram excluir a Rússia do regime recíproco normal que rege o…
Rússia: Putin fala em "desenvolvimentos positivos" com a Ucrânia

Rússia: Putin fala em "desenvolvimentos positivos" com a Ucrânia

O Presidente da Rússia, Vladimir Putin, disse que houve “certos desenvolvimentos positivos” nas conversações com a Ucrânia realizadas nesta sexta-feira,…
Guiné-Bissau: Providência Cautelar provoca novo adiamento do Congresso do PAIGC

Guiné-Bissau: Providência Cautelar provoca novo adiamento do Congresso do PAIGC

O Xº Congresso do Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC) que deveria decorrer de 10 a…
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin