Jornalistas detidos por “notícias falsas”

Seis jornalistas da Costa do Marfim foram detidos sob a acusação de criarem “notícias falsas” com o objectivo de incitar os militares à revolta, afirmou a associação de jornalistas do país. A detenção surgiu dias depois de um motim em Adiake feito por forças especiais que reclamavam pagamentos em falta.

De acordo com o presidente da associação de jornalistas Moussa Traore, os seis elementos foram detidos no domingo e depois de interrogatório foram levados para a prisão de Alban, onde ainda se mantêm.

“Temos notados que alguns orgãos de comunicação social estão a espalhar falsa informação para incitar à revolta”, referiu Adou Richard, o Procurador Geral da República. Os orgãos de comunicação em casa são jornais diários, bem como blogues de elementos conhecidos da sociedade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.




Artigos relacionados

Angola mantém aposta na diplomacia económica

Angola mantém aposta na diplomacia económica

O ministro das Relações Exteriores de Angola, Téte António, reiterou a aposta do Governo na promoção da diplomacia económica. O…
Investigadora do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra ganha pela segunda vez concurso ERC

Investigadora do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra ganha pela segunda vez concurso ERC

A Investigadora Principal do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra (CES-UC), Ana Cristina Santos, acaba de ganhar um…
Cabo Verde: PR propõe fundos para autonomia dos municípios

Cabo Verde: PR propõe fundos para autonomia dos municípios

O Presidente da República de Cabo Verde, José Maria Neves, propõe a criação de um Fundo de Desenvolvimento Local e…
Timor-Leste: Representante da CPLP apela à participação nas presidenciais

Timor-Leste: Representante da CPLP apela à participação nas presidenciais

O chefe da missão de observação da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) às eleições presidenciais em Timor-Leste, o…
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin