MFDC afirma que confrontos na fronteira com a Guiné-Bissau são “manipulação e intoxicação”

O líder do Movimento das Forças Democráticas da Casamansa (MFDC), Salif Sadio, acusa o Senegal de ter violado os Acordos de Roma quando Dakar anunciou a 26 de Janeiro de 2021 que estava a levar a cabo “operações ditas de segurança” na Casamansa.

Comunicado Salif SadioAtravés de um comunicado Salif Sadio afirma que as operações militares senegalesas são contrárias aos compromissos estabelecidos em Roma, entre o Governo Senegalês e o MFDC, no quadro “do processo de negociações para o regresso da paz na Casamansa”, lê-se no documento.

Salif Sadio lembra que a 22 de Fevereiro de 2014 em Roma, após uma reunião da delegação senegalesa, chefiada pelo Almirante Farba Sarr, e do MFDC, liderada por Bourama Cissé, as partes estabeleceram o código de conduta das “Medidas de Confiança Mútuas” que estabeleceria a regras que permitiram prosseguir as negociações. Neste quadro, o MDFC proclamou um cessar-fogo unilateral.

Para o líder o MFDC, o “código” estabelecido foi violado quando a 26 de Janeiro, “em cumplicidade com as suas milícias pagas, alimentadas e mantidas pelo próprio Senegal, o seu exército bombardeia aldeias da Casamansa e aterroriza as populações”.

Fazendo referência às forças que foram atacadas pelo Senegal no sul da Casamansa, Salif Sadio acusa os alvos de serem “milícias colocadas pelo Estado do Senegal para cometerem crimes na Casamansa a fim de prejudicar a imagem do MFDC”.

“O que se passa actualmente na fronteira com a Guiné-Bissau é apenas manipulação e intoxicação (….). Os supostos rebeldes do MFDC que o Senegal declara estar a atacar, são as mesmas milícias colocadas pelo Estado do Senegal com as quais o seu exército chega conjuntamente para atacar, não apenas o MFDC, mas também para cometer crimes na Casamansa”, tal como aconteceu em Diagnon ou Boffa-Bayott, acusa Salif Sadio.

O líder do MFDC qualifica também de “manipulação e intoxicação” quando “um tal de Nkrumah Abou Sané, que afirma ser secretário-geral do MFDC, declara num comunicado que as suas forças vão atacar as tropas senegalesas na Gâmbia”.

Assumindo ser o Comandante-chefe das Forças Combatentes do MFDC, Salif Sadio “declara”, no mesmo documento, que o MFDC “não reconhece Nkrumah Sané como secretário-geral do MFDC”, assim como “rejeita antecipadamente as consequências que podem advir das suas declarações irresponsáveis, tendo em conta que o MFDC nunca se envolve nos problemas políticos dos países vizinhos”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *




Artigos relacionados

Moçambique: Secretário de Estado em Nampula encoraja SERNIC na luta contra o crime

Moçambique: Secretário de Estado em Nampula encoraja SERNIC na luta contra o crime

O Secretário do Estado na província de Nampula, Mety Gondola, encorajou na sexta-feira, o Serviço Nacional de Investigação Criminal, a…
Obras no valor de 2.8 milhões de euros no Museu Nacional Resistência e Liberdade começam em fevereiro

Obras no valor de 2.8 milhões de euros no Museu Nacional Resistência e Liberdade começam em fevereiro

Tem início no próximo mês de fevereiro a empreitada com vista à instalação do Museu Nacional Resistência e Liberdade na…
Brasil: Casa do Minho do Rio de Janeiro e Câmara de Comércio da Região das Beiras assinam protocolo de cooperação

Brasil: Casa do Minho do Rio de Janeiro e Câmara de Comércio da Região das Beiras assinam protocolo de cooperação

A Casa do Minho do Rio de Janeiro, no Brasil, assinou um protocolo de colaboração institucional com a Câmara de…
Mudança para energias renováveis pode aumentar economia de África em 6,4%

Mudança para energias renováveis pode aumentar economia de África em 6,4%

Um quadro político integrado construído em torno da transição energética pode trazer uma onda de novos investimentos em energia sustentável…
Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin