África Subsaariana | Europa

Navio com migrantes chegou a Espanha depois de ser recusado por Itália e Malta

Um barco de resgate de migrantes que foi rejeitado por Itália e por Malta chegou ao porto espanhol de Valência no domingo, finalizando uma viagem que se tornou um símbolo do fracasso da Europa em concordar com a imigração.

Espanha mobilizou-se para ajudar 629 africanos subsarianos a bordo do Aquarius na semana passada, depois de o novo governo da Itália, reforçando a sua política  anti-imigrantes, se ter recusado a deixar entrar nos seus portos. O primeiro-ministro da Espanha, Pedro Sanchez, que assumiu o cargo há duas semanas, aproveitou a oportunidade para mostrar uma postura mais liberal.

Mas o drama do Aquarius, dirigido pela Médicos Sem Fronteiras (MSF) com a instituição franco-alemã SOS Mediterranee, destacou o fracasso da União Europeia em concordar sobre como administrar o enorme influxo de pessoas que fogem da pobreza e do conflito.

Em Valência, autoridades com roupas de proteção e máscaras brancas cumprimentaram os migrantes à medida que desembarcaram e a polícia procedeu à sua identificação.

Os 630 migrantes chegaram a bordo de três barcos: 274 no Dattilo, 106 no Aquarius (que será o segundo a chegar) e 250 no navio da armada italiana Orione, o último a entrar no porto espanhol.

Uma equipa de 2.320 pessoas, entre voluntários, tradutores e autoridades de saúde, receberam as embarcações em terra firme. O secretário-geral da Cruz Vermelha, Elhadj As Sy, também estava em Valência para a chegada.

“Esta triste odisseia do Aquarius lembra de que todas as pessoas, independentemente de sua nacionalidade ou status de imigração, devem ter acesso a assistência básica e proteção”, disse Sy em um comunicado. “Nenhum ser humano é ‘ilegal’, e as pessoas que precisam de ajuda devem receber ajuda”, acrescentou Sy.

A maioria dos espanhóis apoia a ideia de acolher e ajudar a integrar os refugiados, segundo os estudos de opinião, tornando possível que Sanchez, um socialista, oferecesse políticas amigáveis aos migrantes.

 

© e-Global Notícias em Português
Comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Topo