África Subsaariana | Crise

Nigéria: empresas petrolíferas despedem 3000 trabalhadores

Várias empresas petrolíferas na Nigéria despediram cerca de 3000 trabalhadores, segundo referiu ontem um funcionário do sindicato, pedindo ao governo para apresentar um protesto contra as operadoras de petróleo estrangeiras.

“O governo tem de chamar as multinacionais à razão. Estão a despedir e a fechar unidades”, alertou Igwe Achese, presidente da União Nacional de Petróleo e Gás Natural, em declarações à Reuters depois de uma reunião.

“Queremos que o governo aja. É por isso que apresentamos um ultimato de 21 dias”, afirmou. “Se não o fizerem, quando chegarmos à ponte, que está na expiração do ultimato, vamos atravessá-la. Eu não quero usar a palavra “greve” agora”.

A “Premium Times” da Nigéria disse no seu website que a Exxon Mobil, Chevron, Pan Ocean e a Saipem estão entre as firmas que dispensaram trabalhadores.

A indústria de petróleo tem sido afetada pelo baixo preço do petróleo bruto e por uma onda de ataques de rebeldes no ponto central de produção de petróleo da Nigéria, o Delta do Niger. Muitas firmas estrangeiras têm evacuado o seu pessoal da região sul devido à violência.

A Nigéria extrai cerca de 1.9 milhões de barris por dia, referiu o ministro do petróleo na sua página oficial do “Twitter”. O que é menos do que os 2.2 milhões extraídos por dia no início do ano, mas melhor do que o milhão de barris por dia de há uns meses atrás devido aos ataques rebeldes.

 

© e-Global Notícias em Português
Comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Topo