OIM apela por 100 milhões de euros para ajudar migrantes africanos ao longo das rotas do Mediterrâneo

A Organização Internacional para as Migrações (OIM) pediu 100 milhões de euros para continuar a disponibilizar “proteção urgente e assistência crítica” aos migrantes vulneráveis ​​da África Ocidental e Central ao longo das rotas do Mediterrâneo Central e Ocidental.

A OIM fez o apelo à luz do financiamento do Fundo Fiduciário da UE (EUTF), que significa que a organização será forçada a encerrar gradualmente a assistência a migrantes vulneráveis ​​na África Ocidental e Central após dezembro.

Segundo o Diretor-Geral da OIM, António Vitorino, o fim desta linha aliado à escassez de fundos suscita “profundas preocupações” sobre o destino de dezenas de milhares de pessoas vulneráveis

“Por meio da Iniciativa Conjunta UE-OIM, pudemos ajudar mais de 100.000 migrantes que, de outra forma, poderiam ter sido deixados em condições de grande perigo; em centros de detenção, presos e deixados para morrer em desertos, ou vivendo em ambientes extremamente difíceis, propícios ao tráfico e contrabando, sem alternativas seguras para melhorar as suas vidas e as de suas famílias”, disse Vitorino.

“Também estamos preocupados que os avanços obtidos em termos de cooperação regional e internacional na melhoria da gestão da migração sejam prejudicados”, acrescentou.

Busca, resgate, retorno, reintegração

O financiamento será destinado a migrantes retidos no Norte da África e permitirá a assistência necessária, operações cruciais de busca e resgate e apoio de retorno e reintegração ao longo do próximo ano, disse a OIM.

Também promoverá a assistência direta e o retorno de mais de 12.000 migrantes e o apoio à reintegração para pelo menos o dobro desse número que retornou da África Ocidental e Central, do Norte da África e da Europa.

A assistência também inclui operações de busca, resgate e resgate humanitário para salvar vidas no vasto deserto do Saara, além de assistência humanitária após o desembarque ao longo da rota do Mediterrâneo Ocidental.

Também terá como objetivo fortalecer a capacidade dos países de origem, trânsito e destino para melhorar a gestão da migração e apoiar a gestão dos dados de migração e a consciencialização nas principais comunidades de origem.

Milhares de refugiados e supostos migrantes de África enfrentam condições adversas e perigos na tentativa de chegar ao Mar Mediterrâneo e cruzar para a Europa. Muitos morreram a tentar atravessar o mar e até o deserto do Saara para chegar à Líbia, principalmente, de onde tentam chegar à Europa.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *




Artigos relacionados

Moçambique: Assembleia Provincial de Niassa disponibiliza 3,5 toneladas para deslocados de Namapa em Cabo Delgado

Moçambique: Assembleia Provincial de Niassa disponibiliza 3,5 toneladas para deslocados de Namapa em Cabo Delgado

Resultante de contribuição voluntária de membros da Assembleia Provincial, 3,5 toneladas de produtos de primeira necessidade incluindo arroz e milho,…
Estudo indica que técnicas de Machine Learning permitem a diminuição de falsas previsões de crises de epilepsia

Estudo indica que técnicas de Machine Learning permitem a diminuição de falsas previsões de crises de epilepsia

Um estudo liderado pelo Departamento de Engenharia Informática (DEI) da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra (FCTUC)…
Tanzânia quer apostar no ensino profissional para reduzir desemprego e aumentar o crescimento económico

Tanzânia quer apostar no ensino profissional para reduzir desemprego e aumentar o crescimento económico

Com objectivo de diminuir lacunas de habilidades e promover o crescimento económico, a Tanzânia pretende construir, nos próximos anos e…
Acompanhar os que vivem nos lugares mais remotos dos Andes é um desafio no Peru

Acompanhar os que vivem nos lugares mais remotos dos Andes é um desafio no Peru

Na Diocese de Tacna e Moquegua, que cobre uma vasta área na região do Altiplano, entre os Andes e o…