OIM apela por 100 milhões de euros para ajudar migrantes africanos ao longo das rotas do Mediterrâneo

A Organização Internacional para as Migrações (OIM) pediu 100 milhões de euros para continuar a disponibilizar “proteção urgente e assistência crítica” aos migrantes vulneráveis ​​da África Ocidental e Central ao longo das rotas do Mediterrâneo Central e Ocidental.

A OIM fez o apelo à luz do financiamento do Fundo Fiduciário da UE (EUTF), que significa que a organização será forçada a encerrar gradualmente a assistência a migrantes vulneráveis ​​na África Ocidental e Central após dezembro.

Segundo o Diretor-Geral da OIM, António Vitorino, o fim desta linha aliado à escassez de fundos suscita “profundas preocupações” sobre o destino de dezenas de milhares de pessoas vulneráveis

“Por meio da Iniciativa Conjunta UE-OIM, pudemos ajudar mais de 100.000 migrantes que, de outra forma, poderiam ter sido deixados em condições de grande perigo; em centros de detenção, presos e deixados para morrer em desertos, ou vivendo em ambientes extremamente difíceis, propícios ao tráfico e contrabando, sem alternativas seguras para melhorar as suas vidas e as de suas famílias”, disse Vitorino.

“Também estamos preocupados que os avanços obtidos em termos de cooperação regional e internacional na melhoria da gestão da migração sejam prejudicados”, acrescentou.

Busca, resgate, retorno, reintegração

O financiamento será destinado a migrantes retidos no Norte da África e permitirá a assistência necessária, operações cruciais de busca e resgate e apoio de retorno e reintegração ao longo do próximo ano, disse a OIM.

Também promoverá a assistência direta e o retorno de mais de 12.000 migrantes e o apoio à reintegração para pelo menos o dobro desse número que retornou da África Ocidental e Central, do Norte da África e da Europa.

A assistência também inclui operações de busca, resgate e resgate humanitário para salvar vidas no vasto deserto do Saara, além de assistência humanitária após o desembarque ao longo da rota do Mediterrâneo Ocidental.

Também terá como objetivo fortalecer a capacidade dos países de origem, trânsito e destino para melhorar a gestão da migração e apoiar a gestão dos dados de migração e a consciencialização nas principais comunidades de origem.

Milhares de refugiados e supostos migrantes de África enfrentam condições adversas e perigos na tentativa de chegar ao Mar Mediterrâneo e cruzar para a Europa. Muitos morreram a tentar atravessar o mar e até o deserto do Saara para chegar à Líbia, principalmente, de onde tentam chegar à Europa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.




Artigos relacionados

Moçambique: Renamo comenta "invenção da Frelimo" sobre Junta Militar

Moçambique: Renamo comenta "invenção da Frelimo" sobre Junta Militar

O secretário-geral da Renamo, André Mangibire, afirmou à “STV” que duvida da existência de um novo líder da Junta Militar…
Timor-Leste: Candidatos presidenciais assinam pacto da unidade nacional

Timor-Leste: Candidatos presidenciais assinam pacto da unidade nacional

A maioria dos candidatos presidenciais assinou nesta segunda-feira, 28 de fevereiro, o pacto da unidade nacional. O objetivo é assegurar a…
Cabo Verde: Brava anuncia formação gratuita em Marketing Digital

Cabo Verde: Brava anuncia formação gratuita em Marketing Digital

Já estão abertas as inscrições para uma formação gratuita em Marketing Digital na ilha da Brava, avança “A Nação”. Esta…
Ucrânia: Presidente assina pedido de adesão à União Europeia

Ucrânia: Presidente assina pedido de adesão à União Europeia

O Presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, assinou nesta segunda-feira, 28 de fevereiro, o pedido formal de adesão à União Europeia…
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin