OMS: Nações africanas ‘longe de estarem prontas’ para a campanha de vacinação Covid-19

O continente africano está “longe de estar pronto” para lançar o que será o seu maior esforço de imunização de todos os tempos, disse a Organização Mundial da Saúde (OMS). Matshidiso Moeti, Diretora Regional da OMS para a África destacou a importância de um forte planeamento e preparação para inoculações bem-sucedidas contra o Covid-19.

“A maior campanha de imunização na história da África está ao virar da esquina, e os governos africanos devem aumentar a sua resposta com urgência. O planeamento e a preparação facilitarão ou bloquearão esse empreendimento sem precedentes”, disse Moeti.

“Precisamos de liderança ativa e compromisso aos mais altos níveis dos governos, com planos e sistemas de coordenação nacional sólidos e abrangentes implementados”, acrescentou a responsável.

A chamada de atenção acontece quando uma nova análise da OMS revelou que a preparação do programa de vacinação na África está atrasada.

Países atrasados na preparação

De acordo com o estudo, com base no auto-relato dos países, a região africana tem uma pontuação média de 33% de preparação para a implantação da vacina Covid-19, o que está bem abaixo da referência desejada de 80%.

A OMS, junto com a Gavi, a Vaccine Alliance, Coalition for Epidemic Preparedness Innovation e outros parceiros, está a trabalhar para garantir o acesso equitativo às vacinas em África por meio do mecanismo COVAX, o pilar de vacinas do Acelerador de Ferramentas de Acesso à Covid-19 da OMS. Quando as vacinas forem licenciadas e aprovadas, a COVAX trabalhará para garantir doses suficientes para fornecer proteção a um inicial de 20% da população africana, disse a OMS.

No entanto, apenas 49% identificaram populações prioritárias para vacinação e têm planos para alcançá-las, 44% têm estruturas de coordenação implementadas, de acordo com a análise da OMS. Além disso, 24% têm planos adequados de recursos e financiamento, 17% têm ferramentas de recolha de dados e monitorização prontas e apenas 12% têm planos de se comunicar com as comunidades para construir confiança e impulsionar a procura por imunização.

Sensibilização das comunidades

Moeti ressaltou que o desenvolvimento de uma vacina segura e eficaz “é apenas o primeiro passo para uma implementação bem-sucedida”.

“Se as comunidades não estiverem convencidas de que uma vacina protegerá sua saúde, não faremos muito progresso. É fundamental que os países alcancem as comunidades e ouçam as suas preocupações e lhes dêem voz no processo”, acrescentou.

A OMS forneceu a sua Ferramenta de Avaliação da Prontidão da Vacina a todos os 47 países da sua Região Africana. A ferramenta, para uso pelos ministérios da saúde, fornece um roteiro para planear a introdução da vacina Covid-19 e cobre dez áreas principais, desde o planeamento e financiamento até à formação, monitorização e envolvimento da comunidade.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *




Artigos relacionados

Moçambique recebe do Japão cinco viaturas de bombeiros

Moçambique recebe do Japão cinco viaturas de bombeiros

O Governo japonês disponibilizou cerca de 170 mil dólares a Moçambique para a aquisição de cinco viaturas destinadas ao Serviço…
Angola: Reintegrados mais de 500 ex-militares em ações contra fome e pobreza

Angola: Reintegrados mais de 500 ex-militares em ações contra fome e pobreza

A vice-governadora provincial para o setor Político, Social e Económico de Benguela, Lídia Amaro, afirmou que 593 ex-militares foram reintegrados…
Banco Mundial indica crescimento de 4,1% para Timor-Leste

Banco Mundial indica crescimento de 4,1% para Timor-Leste

O Banco Mundial prevê que Timor-Leste registe um crescimento económico de 4,1% em 2024 e 2025, através do alívio das…
UE doa 50 milhões de euros à ONU para refugiados palestinianos

UE doa 50 milhões de euros à ONU para refugiados palestinianos

A União Europeia (UE) anunciou o envio da próxima parcela de 50 milhões de euros para a Agência das Nações…