África Subsaariana

ONU pede ao Senegal que legalize a homossexualidade e o aborto

À margem da apresentação do 5º relatório do Senegal perante o Comité de Direitos Humanos, em conformidade com o artigo 40 do Pacto Internacional sobre Direitos Civis e Políticos, as Nações Unidas fizeram recomendações que estão em total contradição com a sociedade senegalesa.

O comité de direitos humanos insta o Senegal a descriminalizar a homossexualidade, revogando “o artigo 319.3 do Código Penal, que criminaliza atos sexuais consentidos entre adultos do mesmo sexo, com vistas a reduzir a estigmatização dos envolvidos”.

“As Nações Unidas também convidam a adotar medidas concretas e urgentes para enfrentar a atual campanha de discurso de ódio contra as pessoas devido à sua orientação sexual e àqueles que defendem seus direitos, incluindo parceiros envolvidos na luta contra o HIV-AIDS”.

Com uma maioria muçulmana, o Senegal tem raízes religiosas e culturais e não hesita em mostrar ostensivamente o seu desdém contra a homossexualidade. Recentemente em Tivaouane, o Califa Serigne Babacar Sy Mansour chamou a atenção das autoridades para mais envolvimento nessa luta.

Em nome da sua visão de um mundo em mudança, os especialistas da ONU também pediram ao Senegal que considerasse a remoção de sanções penais contra mulheres que recorrem ao aborto e prestadores de serviços de saúde que as fornecem. assistência, porque tais medidas levam as mulheres a recorrer a abortos inseguros que podem afetar suas vidas ou sua saúde “.

© e-Global Notícias em Português
Comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Topo