África Subsaariana | Europa

Petróleo: Total permanece no Gabão

A multinacional francesa Total vai permanecer no Gabão ao contrário do que anunciaram algumas fontes. Entre a diversificação de atividades e a prossecução de atividades tradicionais, nomeadamente na prospeção, exploração e distribuição de petróleo, o Estado Gabonês e a Total parecem ter encontrado o equilíbrio certo enquanto outros operadores se posicionam.

Apesar de rumores no meio político e económico sobre uma possível retirada da Total do Gabão, o grupo francês acaba de reafirmar a procura por atividades onshore e offshore. Esta é uma das deliberações tornadas públicas no final do Conselho de Administração da Total Gabon no dia 12 de novembro de 2020 em Libreville, reafirmou o presidente do Conselho de Administração, Nicolas Terraz, também diretor de Exploração e Produção da África da Total, citado pelo Financial Afrik.

“Sair do Gabão não está na ordem do dia e posso dizer isso claramente. Temos uma operação em andamento, é a transferência para outra empresa de atividades da qual não somos a operadora. A Total Gabon, hoje, está a reorientar os seus postos de Tanguy e Torpille. Isso representa uma produção diária de 20.000 barris por dia. Há muito trabalho a ser feito para garantir a sustentabilidade desta produção para que a Total Gabon seja uma empresa que continua a operar, que continua a empregar pessoas no Gabão e a contribuir para a economia gabonesa”, insistiu Terraz.

A situação económica contrastante é um dos principais motivos que levariam a Total a rever sua estratégia no Gabão. A receita líquida da Total Gabão caiu em 11 milhões de dólares no terceiro trimestre de 2020, uma situação ligada a preços e produção mais baixos. Durante o período em análise, as vendas foram de 95 milhões de dólares, um aumento de 28% em relação ao segundo trimestre.

A informação divulgada pelo grupo francês sobre o rumo que pretende desenvolver surgiu após discussões entre a Total e as autoridades gabonesas sob a liderança do Ministro do Petróleo, Gás e Minas, Vincent de Paul Massassa.

© e-Global Notícias em Português
Comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Topo