África Subsaariana

Senegal: Abdoul Mbaye desafia o Estado em relação a estátuas e ruas com referências à escravatura

A onda de indignação mundial nascida do assassinato do americano George Floyd  chegou ao Senegal, onde são levantadas vozes de indignação contra estátuas e ruas com referência à escravatura.

Entre as vozes em ascensão está o ex-primeiro ministro do Senegal, Abdoul Mbaye. O presidente do partido da oposição Aliança pela Cidadania e Trabalho (ACT) confrontou o Estado do Senegal numa altura em que estátuas de ex-traficantes de escravos são destruídas em todo o mundo, principalmente por causa da onda de indignação causada pelo assassinato do americano George Floyd.

Numa publicação na internet, Abdoul Mbaye lamenta ainda ver as estátuas nas ruas do Senegal prestando homenagem aos brancos que cometeram crimes no continente africano.

Mesmo na Europa as estátuas de escravos estão a ser destruídas. Espero que a rue du Maréchal Gallieni, onde vivo, seja renomeada, um colonizador de brutalidade lendária, culpado de massacres em África“, disse o presidente da ACT, acrescentando que “muitos nomes devem desaparecer das paisagens africanas.

Também muitos senegaleses estão a pedir ao Estado do Senegal para retirar a estátua do ex-administrador colonial Louis Faidherbe em Saint Louis, no norte do país.

Lembre-se de que, no contexto das manifestações antirracismo após o assassinato do americano, várias estátuas em homenagem aos proprietários de escravos brancos foram derrubadas.

Depois da estátua do traficante de escravos, Edward Colston, em Bristol, na Inglaterra, ter sido atirada ao rio no domingo, os manifestantes em todo o mundo querem destruir outros símbolos da escravatura.

© e-Global Notícias em Português
Comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Topo