África Subsaariana

Senegal: Dois anos de prisão para 3 pais por incentivo à emigração clandestina para Espanha

O Tribunal de Grande Instância de Mbour (TGI) condenou, terça-feira, a dois anos de prisão, três pais acusados ​​de incentivarem os seus filhos a embarcarem em canoas improvisadas para emigrar clandestinamente para Espanha.

Os três réus, incluindo o pai de Ousseynou Faye (dit Doudou, um jovem jogador de futebol), foram acusados de “colocar em perigo a vida de outras pessoas”, mas absolvidos de “cumplicidade no contrabando de migrantes”.

Os homens são acusados ​​de terem enviado os seus filhos, com 20, 16 e 18 anos, respetivamente, para a Espanha. Uma viagem em que o mais novo, Ousmane Faye dit Doudou, não sobreviveu. Os outros dois jovens foram repatriados.

O pai do jovem Doudou expressou fortemente o seu pesar, ao especificar que seu filho tinha 16 anos e que o seu desejo era de dar ao filho a oportunidade de encontrar o sucesso através do seu talento.

“Eu levei-o a alguns marabus para orações. Se eu soubesse que ele iria ficar lá, nunca teria corrido o risco. Estou à sua frente, mas o meu espírito não está mais comigo”, lamentou.

O procurador público de Mbour considerou que os três réus expuseram seus filhos ao perigo, razão pela qual exigiu a pena de dois anos de prisão. Segundo o procurador não podiam ignorar o perigo que aguardava seus filhos.

“Eles (os réus) dirão naturalmente que estão atormentados pelas dificuldades da vida, mas com 250.000 francos pode começar um negócio muito lucrativo”, argumentou.

Durante as suas alegações, os advogados de defesa, Mes Abdoulaye Tall e Assane Dioma Ndiaye, solicitaram a clemência do tribunal para com os arguidos.

Ndiaye, no entanto, acolheu o veredicto, considerando que no que diz respeito ao pai do jovem Doudou Faye, “a sentença não poderia ser mais severa do que a perda de seu filho”.

© e-Global Notícias em Português
Comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Topo