Senegal: Sociedade civil manifesta apoio ao movimento “Y’en a marre”

A sociedade civil senegalesa protestou no sábado, contra a retirada da aprovação do Lead Africa francófono pelo governo. Esta associação é uma das gestoras do movimento cidadão “Y’en a marre” (“Estamos fartos”). Sem a organização, o movimento fica privado da maior parte dos seus recursos financeiros considerados irregulares de acordo com o decreto do Ministério do Interior.

A sociedade civil pede em comunicado o cancelamento do decreto. Os doze signatários, incluindo a Amnistia Internacional, expressam a sua profunda preocupação apenas a quatro meses da eleição presidencial.

Apoio pontual do movimento “Y’en a marre”, o ramo senegalês da ONG Oxfam, foi notificado pelo Ministério do Interior, de acordo com uma fonte próxima do processo. Uma sucessão de eventos para os quais a ONG RADDHO alerta.

“Tudo isso, na verdade, é um ato para impedir o trabalho da sociedade civil no Senegal. Será necessário que de qualquer maneira a sociedade civil se mobilize e informe a opinião pública nacional e internacional dos ataques e ameaças como esses”, disse Iba Sarr, diretor de RADDHO.

As organizações da sociedade civil pretendem continuar a sua mobilização na próxima semana, com o intuito de manter a pressão sobre o governo.

Deixe uma resposta




Artigos relacionados

Guiné-Bissau: Governo extingue feriados nacionais e é acusado de violar a lei e a história

Guiné-Bissau: Governo extingue feriados nacionais e é acusado de violar a lei e a história

O Governo guineense através do Decreto nº 1/2023 de 19 de Janeiro determinou que 23 de Janeiro, outrora dia dos…
Moçambique: MONARUMO defende isenção do IVA para água e energia

Moçambique: MONARUMO defende isenção do IVA para água e energia

O Movimento Nacional para Recuperação da Unidade Moçambicana (MONARUMO) comentou a recente diminuição do Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA),…
Angola garante usar 77% de energia renovável até 2027

Angola garante usar 77% de energia renovável até 2027

O chefe de Estado angolano, João Lourenço, assumiu o compromisso de o país usar 77% de energia renovável até 2027. …
Cabo Verde: Turismo e privatizações financiam fundo contra pobreza extrema

Cabo Verde: Turismo e privatizações financiam fundo contra pobreza extrema

O turismo e privatizações em Cabo Verde decidiram financiar o fundo MAIS, definido pelo Governo e criado com o objetivo…