União Africana UA Mulheres

UA: Mulheres africanas com crescente participação na política

O continente africano alcançou marcos importantes na participação das mulheres na tomada de decisões políticas durante a última década, afirmou a Comissão da União Africana (UA).

“Ao longo da década, foi feito um progresso considerável na tradução de compromissos em ações mensuráveis, já que a maioria dos países africanos deu passos gigantescos para elevar o status da mulher através de meios legais e constitucionais, mecanismos institucionais de género, bem como criar ambientes propícios para que as mulheres realizem o seu potencial”, constatou a UA num comunicado divulgado no fim de semana

O bloco pan-africano de 55 membros revelou que o continente testemunhou um aumento na participação das mulheres nos processos de tomada de decisão política que viu quatro estados membros da UA serem classificados entre os dez primeiros países do mundo com o maior número de representação feminina no Parlamento.

Os quatro países membros da UA são o Ruanda, Namíbia, África do Sul e Senegal. Outros 16 países e regiões africanos ultrapassaram os 30 por cento da representação feminina nos parlamentos nacionais, observou.

De acordo com a UA, esta semana marcou um “momento divisor de águas” no Calendário de Igualdade de Género da UA, uma vez que o continente celebra o fim da primeira Década das Mulheres Africanas (AWD) na Abordagem de Base para a Igualdade de Género e Empoderamento das Mulheres 2010-2020, que foi adotada em outubro de 2010 em Nairobi, no Quénia.

Mulheres ocupam cargos tradicionalmente atribuídos aos homens

As mulheres agora ocupam ministérios estratégicos como defesa, economia, finanças e negócios estrangeiros, que eram tradicionalmente reservados aos homens.

“Hoje, a África melhorou o acesso das mulheres a tecnologias, infraestrutura e serviços. A taxa de educação feminina aumentou e há maior acesso a formações técnicas e profissionais. Na verdade, há muito que as mulheres africanas podem celebrar como conquistas concretas desta primeira década da mulher africana”, refere a UA.

À medida que África entra na nova Década da Mulher Africana sobre a Inclusão Financeira e Económica das Mulheres Africanas 2020-2030, os membros da UA foram instados a tomar as medidas adequadas para implementar plena e eficientemente os seus compromissos para promover o bem-estar das mulheres no continente e consolidar os ganhos obtidos durante a década das mulheres africanas de 2010-2020.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.




Artigos relacionados

Ucrânia e Rússia adiam negociações para esta quinta-feira

Ucrânia e Rússia adiam negociações para esta quinta-feira

As negociações entre a Ucrânia e a Rússia foram adiadas para esta quinta-feira, 03 de março.  A delegação ucraniana está…
Portugal agradece à Roménia apoio no repatriamento de portugueses e ucranianos

Portugal agradece à Roménia apoio no repatriamento de portugueses e ucranianos

O primeiro-ministro português, António Costa, manifestou publicamente ao Presidente da Roménia, Klaus Iohannis, a sua gratidão pelo apoio prestado na…
Guiné-Bissau: PGR quer vigilância acrescida a pessoas com enriquecimento anormal

Guiné-Bissau: PGR quer vigilância acrescida a pessoas com enriquecimento anormal

O Procurador-geral da República (PGR) pediu aos magistrados para estarem atentos às pessoas que procuram vias fáceis para enriquecer, às…
Moçambique: Oposição critica "silêncio" do Governo sobre invasão à Ucrânia

Moçambique: Oposição critica "silêncio" do Governo sobre invasão à Ucrânia

A Renamo e o MDM, partidos moçambicanos da oposição, condenam a invasão da Rússia à Ucrânia. Ambos criticam o “silêncio”…
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin