Zimbabué: Preço do pão aumenta para US $ 1,40

O preço do pão deverá subir para um máximo de US $ 1,40 com efeito a partir desta sexta-feira. O aumento acontece depois de longas negociações entre o Governo e a Associação Nacional de Padeiros do Zimbábue (NBAZ), o órgão representativo dos interesses dos padeiros locais.

Atualmente, um pão é vendido a um máximo de US $ 1,10, com algumas padarias a cobrar 70 cents e US $ 1. Os padeiros propuseram elevar o preço do pão para US $ 2,20, mas o governo vetou a proposta, exigindo saber o que poderia ser feito para manter o preço em níveis acessíveis ao cidadão comum.

O governo comprometeu-se em prestar mais assistência à indústria de panificação, que tem atravessado dificuldades devido às flutuações nas taxas de câmbio. Um importante participante do setor de panificação apontou que, uma vez que os padeiros não importam diretamente algumas matérias-primas, os fornecedores locais aumentaram o preço agravando a situação, já de si complicada devido às taxas de câmbio variáveis.

Em comunicado divulgado ontem, a NBAZ disse que, depois de perceber que o pão se tornou o alimento básico mais acessível para os cidadãos, foi tomada uma decisão para “fazer todos os esforços para manter o preço do pão acessível”.

A organização referiu que apesar dos esforços das respetivas padarias para reduzir os custos internos e melhorar a eficiência operacional, “a magnitude das pressões de custo tornou impossível para a indústria de panificação permanecer viável considerando os desafios atuais”.

De acordo com a NBAZ, os bens importados nos processos de fabricação e distribuição de pão registaram aumentos de preços astronómicos, que excederam 500% em alguns casos.

A NBAZ disse estar agradecida pela “cooperação e simpatia” que recebeu de todos os atores da cadeia de valor, que incluem o Ministério da Indústria e Comércio, a Comissão Nacional de Competitividade, a RBZ e os consumidores.

Deixe uma resposta




Artigos relacionados

Guiné-Bissau: Governo extingue feriados nacionais e é acusado de violar a lei e a história

Guiné-Bissau: Governo extingue feriados nacionais e é acusado de violar a lei e a história

O Governo guineense através do Decreto nº 1/2023 de 19 de Janeiro determinou que 23 de Janeiro, outrora dia dos…
Moçambique: MONARUMO defende isenção do IVA para água e energia

Moçambique: MONARUMO defende isenção do IVA para água e energia

O Movimento Nacional para Recuperação da Unidade Moçambicana (MONARUMO) comentou a recente diminuição do Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA),…
Angola garante usar 77% de energia renovável até 2027

Angola garante usar 77% de energia renovável até 2027

O chefe de Estado angolano, João Lourenço, assumiu o compromisso de o país usar 77% de energia renovável até 2027. …
Cabo Verde: Turismo e privatizações financiam fundo contra pobreza extrema

Cabo Verde: Turismo e privatizações financiam fundo contra pobreza extrema

O turismo e privatizações em Cabo Verde decidiram financiar o fundo MAIS, definido pelo Governo e criado com o objetivo…