África Subsaariana

Zimbabwe: Ministro da Saúde pede aos médicos que regressem ao trabalho para negociarem

Obadiah Moyo, ministro da Saúde e Assistência à Criança, apelou aos médicos e outros profissionais de saúde que regressem ao trabalho enquanto as negociações sobre as suas exigências prosseguem com o governo. Moyo respondia a perguntas de jornalistas durante a 36ª matriz de decisão do Gabinete em Harare na terça-feira.

“Quero apelar aos médicos para que as nossas portas estejam sempre abertas”, disse Moyo. “Estamos abertos ao diálogo até obtermos soluções, mas vamos dialogar enquanto estamos a trabalhar”.

Sobre o ajuste salarial de 60% oferecido pelo governo durante a negociação coletiva na qual os médicos exigiram mais, Moyo declarou que a “medida permanece. O governo orienta-se pela lei. Por isso fomos aos tribunais. Estamos a seguir o que a lei estabelece e devemos seguir a lei. Não há como ir contra o que a lei diz”, reforçou o ministro.

O governo insistiu que não pode pagar aos trabalhadores da saúde em dólares dos Estados Unidos nem em moeda local à taxa interbancária, mas implementaria o incremento percentual acordado durante as negociações.

Segundo Moyo, todas as disposições da lei serão adotadas num esforço para encontrar soluções permanentes para os desafios que afetam o setor da saúde.

Enquanto Moyo apelava aos médicos, a Ministra dos Serviços de Informação, Publicidade e Radiodifusão, Monica Mutsvangwa, acusava os médicos de não serem justos por desconsiderar os esforços feitos pelo governo até agora.

“A ação de greve desconsidera os esforços significativos demonstrados pelo governo no seu compromisso inabalável de resolver as suas preocupações”, disse .“Tais esforços incluem a recente revisão de aumento dos seus salários e subsídios, que devem estar nas suas contas antes do final deste mês. Os médicos, continuando com a greve ao trabalho, também contestam flagrantemente a ordem judicial que determinou a greve como ilegal e ordenou que voltassem ao trabalho imediatamente. Os médicos devem valorizar a santidade da vida humana acima de tudo e oferecer seus serviços aos pacientes”, acrescentou a ministra.

© e-Global Notícias em Português
Comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Topo