América do Norte | América Latina | Crise

Venezuela: Ministro dos Negócios Estrangeiros declara que o país venceria os EUA em caso de ataque militar

A Venezuela está pronta para resistir em caso de ataque militar dos Estados Unidos, segundo as declarações do ministro de Negócios Estrangeiros venezuelanos, Jorge Arreaza, na segunda-feira, em Moscovo.

“Estamos preparados para qualquer cenário, o primeiro é o da diplomacia, do diálogo, da paz, as nossas mãos estão estendidas para que possamos conversar com todos”, disse Arreaza, no dia seguinte a um encontro com o seu homólogo russo, Sergey Lavrov. Mas se os Estados Unidos “optarem pelas forças armadas, temos uma força armada, um povo, uma milícia nacional, que seria capaz não só de resistir e lutar, mas também de vencer e derrotar qualquer exército, por mais poderoso que seja no mundo “, acrescentou o ministro. Se essa hipótese ocorrer, “estamos prontos”, insistiu.

“Dialoguemos”, continuou Arreaza. “A oposição não pode dialogar connosco porque não tem a permissão dos Estados Unidos. É hora da diplomacia”, acrescentou.

Arreaza disse que na Venezuela há “uma disputa histórica sobre o controlo da sua riqueza, o produto das receitas do petróleo, das riquezas minerais, energética” do país. “Os Estados Unidos pretendem dominar, ter controlo absoluto” das riquezas venezuelanas, sublinhou.

Os Estados Unidos decidiram “fazer colapsar a economia e começaram a aprofundar as sanções”, denunciou o ministro venezuelano. É “um bloqueio criminoso unilateral”, insistiu.

A situação na Venezuela agravou depois de uma insurreição militar fracassada na semana passada, liderada pelo líder da oposição, Juan Guaidó, reconhecido como presidente interino por mais de 50 países.

No domingo, Sergey Lavrov pediu aos Estados Unidos e seus aliados que “abandonem os seus planos irresponsáveis e atuem exclusivamente no âmbito do direito internacional”.

Arreaza também revelou na segunda-feira que Caracas estava a desenvolver “alternativas para os sistemas de intercâmbio financeiro” com os seus aliados russos e chineses para contornar o bloqueio dos EUA.

© e-Global Notícias em Português
Comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Topo