Chile Constanza San Juan

Chile: A nova protagonista da Convenção Constituinte chama-se A Lista do Povo

Insurge como a voz mais representativa de uma cidadania cansada dos partidos políticos. Agora estão a ser traçadas estratégias para confirmar se podem ser a dobradiça da mudança nos tempos que virão. 

Santiago – “Não previmos isso”. Essa foi a frase mais repetida desde as mais altas instâncias do poder no Chile, na época do surto social de 18 de outubro de 2019, um antes e um depois na história deste país. 

Depois das megaeleições de 15 e 16 de maio, a mesma frase torna-se eficaz novamente, mas agora toma a pele e o rosto de 27 novos membros independentes da Convenção Constituinte, que foram eleitos em torno da Lista do Povo. 

As pesquisas, os analistas políticos, as manhãs das emissoras de televisão não captaram um movimento “underground”, cujas definições e movimentos estratégicos ainda precisam ser vistos, mas que sem dúvida vão pesar no texto da nova Carta Magna chilena. 

EM HORÁRIO PRIME 

São 22 horas no Chile. Lá fora há um toque de recolher. Mentiras VerdadeIras é o nome de um dos programas noturnos mais seguidos, pelo jornalismo valente e sem conseções que realiza a equipa liderada pelo colega Eduardo Fuentes, de segunda a quinta-feira. 

Rafael Montecinos e Evelyn Godoy foram convidados na noite de quarta-feira, 19 de maio, para partilharem com os telespectadores o que é a Lista do Povo, tão invisível nos meios de comunicação tradicionais segundo os seus promotores, mas que hoje se encontra na boca de todos. 

“A origem da Lista do Povo é a revolta do 18-O. As mudanças estão com o povo, sem os partidos políticos. Nós reunimos muitos do que nós criámos vida nos campos, nas panelas comuns, que viemos
do mundo ambientalista, do feminismo”, expressou Montecinos na sua intervenção. 

Com o Plano Quiltro, os membros do LDP articularam-se com os protagonistas da revolta, como a emblemática Tía Pikachú e muitos outros. Além disso, com o Trem de Aprovação puderam aproximar-se mais às pessoas em cada canto do Chile, desde o caseiro da feira até à senhora que faz sopaipillas (trabalhadores informais em mercados perto de ruas populares). 

“A ‘cozinha política’ salvou a pele de Piñera. Quando o país disse Aprovo e Misto não: esse foi o sinal. Depois de muitos discussões, levantamos 184 candidatos em 21 distritos. Foi um processo difícil, que os meios não difundiram; fizemos os pedidos e inviabilizaram. Do Servel obtivemos 25 milhões de pesos, com isso deu entre 100 mil e 300 mil a cada candidato. Mesmo os primeiros 18 milhões de pesos saíram do bolso de três pessoas”, explicaram os porta-vozes deste movimento cidadão. 

Admitem que, após a conquista eleitoral, personalidades da política como Gabriel Boric, Daniel Jadue e Pamela Jiles fizeram “Piscadelas”, mas que só se devem aos mandatos do povo. “Nós não conversaremos com os partidos políticos enquanto os nossos companheiros estiverem na prisão. Os 27 convencionais da LDP vão conversar com as pessoa ”. 

Embora contem com assinaturas para inscrever até 10 partidos contra o Servel, LDP analisa inscrever candidaturas para deputados na época e senadores, por enquanto não para presidente: “mas se o povo assim o decidir, nós faremos”, comentou Montecinos. 

Foram muito enfáticos no facto de que “não se pode escrever um nova constituição com presos políticos. Temos sido vítimas de intimidação e ameaças. Sim, há delinquência nos protestos, mas também criminalização dos manifestantes”. 

Para finalizar, LPD expressou que acredita no diálogo, mas que não vai dar o seu braço a torcer. “A direita não vai ser levada facilmente. Vamos articular estratégias e diálogos com outros independentes e povos indígenas. Eu nem dou a mão a Lavín, por ser um personagem que tem sido cúmplice das violações dos direitos humanos, tanto durante a ditadura como na democracia”, comentou Rafael Montecinos. 

A CONSTÂNCIA DE CONSTANZA 

Nasceu em Santiago, mas teve sempre sensibilidade para a natureza, pelos ecossistemas, falta de água e amor pelos animais, força que a levou a viver e lutar em Atacama. É Constanza San Juan, historiadora de profissão, formado pela Universidade do Chile, fundada pelo sábio venezuelano Andrés Bello em 1842. 

Eleita pelo Distrito 4, em representação da Assembleia Constituinte do Atacama, San Juan falou com o e-global.pt“A minha vida mudou quando me vinculei a coletivos e organizações, em defesa dos glaciares do norte (Toro 1, Toro 2 e Esperanza). Em 2000 houve um despertar, porque a alegria que nos prometeram nunca chegou e só se limitaram a administrar o modelo neoliberal. Perante tantas iniquidades, surgiram movimentos críticos, okupas, todo um mundo mobilizado com muitas demandas”, assegurou a jovem de 35 anos. 

Realizou a sua tese para a Universidade do Chile (2010) no Valle del Huasco e ficou a viver no Alto del Carmen. “Constitui-se a Assembleia para as águas do Guasco Alto, da qual fui porta-voz durante oito anos, especialmente na luta meio-ambiental que travámos contra a empresa canadense Barrick Gold”. 

San Juan lembra que foram críticos e não apoiaram o Acordo Constitucional de novembro, mas demos liberdade de ação aos integrantes da Assembleia pela água do Guasco Alto. 

“Depois da Aprovação imposta com 86% aqui, dissemos que havia uma voz que não quer esse modelo, em que se privatiza a vida e consagra ao abuso como um facto cotidiano. A atual constituição facilita o trabalho do mundo privado, tornando a atual institucionalidade ambiental uma saudação à bandeira, é uma ‘peneira rota’”, disse a combativa historiadora. 

Pensa que a de 2021 é “uma oportunidade maravilhosa para mudar as coisas, por um tempo de boa vida, com territórios empoderados, por um país mais justo e solidário. E é que sem natureza não há vida. A nova constituição não é só para o Chile”. 

Enfatiza que quando a Lista do Povo se aproximou deles, fizeram saber que manteriam a autonomia territorial como Assembleia Constituinte de Atacama (ACA), a lista mais votada da região. 

“Esse é o cenário e desde há anos existem coincidências com múltiplos atores e movimentos sociais. Crianças em idade escolar acenderam a faísca. Mas em tudo isso houve um processo de amadurecimento, que não nos apanha sem ideias, sem propostas. Nós não atenuámos o nosso discurso anti-neoliberal, acreditamos na democracia direta nas e assembleias comunais regionais, que têm um mandato”, disse San Juan via Zoom. 

A Lista do Povo celebra, analisa o horizonte e prepara-se para atuar nas principais ligas da política chilena. 

Darão o espaço ou acabarão por ser apenas uma miragem? E se terminam parecendo ao que detestam hoje? 

Só o tempo dirá o quão consistentes e honestos foram no final do dia 

Fernando Peñalver 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.




Artigos relacionados

Ucrânia: Presidente assina pedido de adesão à União Europeia

Ucrânia: Presidente assina pedido de adesão à União Europeia

O Presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, assinou nesta segunda-feira, 28 de fevereiro, o pedido formal de adesão à União Europeia…
Ucrânia: Ataque russo em Kharkiv causa 11 mortes

Ucrânia: Ataque russo em Kharkiv causa 11 mortes

O Governo ucraniano afirmou nesta segunda-feira, 28 de fevereiro, que morreram 11 pessoas e centenas ficaram feridas durante um ataque russo…
Angola: Cidadãos angolanos fogem da Ucrânia

Angola: Cidadãos angolanos fogem da Ucrânia

A maioria dos angolanos que viviam em Kharkiv, segunda maior cidade da Ucrânia, decidiu abandonar o local no sábado, 26…
Guerra na Ucrânia causa 422 mil refugiados

Guerra na Ucrânia causa 422 mil refugiados

O Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) partilhou nesta segunda-feira, 28 de fevereiro, que já são mais…
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin