Chile: Candidato socialista abre “fogo político” após as primárias presidenciais

Fernando Peñalver

“Não podemos permitir que a direita com o clone de (Sebastián) Piñera continue a governar o Chile.” Quem assim se expressou foi a candidata presidencial do Partido Socialista (PS), Partido pela Democracia (PPD) e Novo Tratado (NT), Paula Narváez, na polémica conferência de imprensa, que marca a retomada das hostilidades políticas, após as massivas eleições primárias de domingo, 18 de julho, que lançou as candidaturas de Gabriel Boric e Sebastián Sichel.

Gritando o slogan “Paula sim, a outra não” em clara alusão à senadora Yasna Provoste, Narváez assegurou que o quadro político “estava incompleto” sem a presença do “genuíno socialismo democrático e progressivo” que ela e as forças que a apoiam personificam. “Hoje todo mundo quer ser socialista, e isso é muito bom, mas aqui está o verdadeiro socialismo”, disse a ex-porta-voz do governo da presidente Michelle Bachelet, com uma dose de sarcasmo.

Narváez desafiou a senadora Yasna Provoste, presidente do Senado e candidata virtual dos democratas-cristãos, a que concorra a umas primárias. “O Chile mudou e isso deve ser assumido. Nunca mais sem nós”, disse Narváez, apontando para as primárias presidenciais onde competiram apenas homens.

A porta-estandarte apontou “a necessidade de, por meio de um mecanismo democrático, definir uma candidatura única da Unidade Constituinte e do progresso, para sermos mais competitivos no primeiro turno de novembro nas eleições presidenciais. Não há espaço para outra coisa, o tempo acabou. Não há mais tempo para essas definições, e temo que se não as tomarmos o processo será irreversível. “

O DC voltará a definir a candidata presidencial entre os dias 14 e 21 de agosto, após a “renúncia” da senadora Ximena Rincón, que venceu as primárias internas e foi posteriormente vetada pelos integrantes do pacto Aprovar Dignidade.

Uma parte muito forte do encontro da porta-estandarte socialista e da imprensa foram as palavras dirigidas ao “independente” Sichel, que obteve a nomeação da coligação “Chile Vamos” e que é acusado de ser o “fantoche” da os chamados poderes factuais, incluindo o ex-ministro do interior e primo do presidente Piñera, Andrés Chadwick.

Gabriel Boric (Convergência Social – Frente Ampla), Sebastián Sichel (Independente – Chile Vamos), José Antonio Kast (Partido Republicano) e Carlos Paldonado (Partido Radical) já garantiram a sua participação no primeiro turno de novembro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *




Artigos relacionados

Cabo Verde: Amadeu Oliveira continua a ser interrogado em tribunal

Cabo Verde: Amadeu Oliveira continua a ser interrogado em tribunal

O advogado e político Amadeu Oliveira tem estado várias horas em interrogatório desde que foi detido no domingo, 18 de…
Moçambique: Tropa ruandesa liderada por exterminador de opositores de Kagame

Moçambique: Tropa ruandesa liderada por exterminador de opositores de Kagame

A tropa ruandesa que chegou a Moçambique a 09 de julho para combater os terroristas na província de Cabo Delgado…
Angola: PRS acolhe mais de 300 membros do PRA-JA e CASA-CE

Angola: PRS acolhe mais de 300 membros do PRA-JA e CASA-CE

Mais de 300 membros do PRA-JA e da CASA-CE decidiram aderir ao PRS no sábado, 17 de julho. Segundo o…
Revista de Imprensa Lusófona de 20 de julho de 2021

Revista de Imprensa Lusófona de 20 de julho de 2021

Na Guiné-Bissau o “Presidente da República doa 15 viaturas para comandos regionais de policia”, menciona a “ANG”. Já “O Democrata”…
Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin