Chile: Candidato socialista abre “fogo político” após as primárias presidenciais

Fernando Peñalver

“Não podemos permitir que a direita com o clone de (Sebastián) Piñera continue a governar o Chile.” Quem assim se expressou foi a candidata presidencial do Partido Socialista (PS), Partido pela Democracia (PPD) e Novo Tratado (NT), Paula Narváez, na polémica conferência de imprensa, que marca a retomada das hostilidades políticas, após as massivas eleições primárias de domingo, 18 de julho, que lançou as candidaturas de Gabriel Boric e Sebastián Sichel.

Gritando o slogan “Paula sim, a outra não” em clara alusão à senadora Yasna Provoste, Narváez assegurou que o quadro político “estava incompleto” sem a presença do “genuíno socialismo democrático e progressivo” que ela e as forças que a apoiam personificam. “Hoje todo mundo quer ser socialista, e isso é muito bom, mas aqui está o verdadeiro socialismo”, disse a ex-porta-voz do governo da presidente Michelle Bachelet, com uma dose de sarcasmo.

Narváez desafiou a senadora Yasna Provoste, presidente do Senado e candidata virtual dos democratas-cristãos, a que concorra a umas primárias. “O Chile mudou e isso deve ser assumido. Nunca mais sem nós”, disse Narváez, apontando para as primárias presidenciais onde competiram apenas homens.

A porta-estandarte apontou “a necessidade de, por meio de um mecanismo democrático, definir uma candidatura única da Unidade Constituinte e do progresso, para sermos mais competitivos no primeiro turno de novembro nas eleições presidenciais. Não há espaço para outra coisa, o tempo acabou. Não há mais tempo para essas definições, e temo que se não as tomarmos o processo será irreversível. “

O DC voltará a definir a candidata presidencial entre os dias 14 e 21 de agosto, após a “renúncia” da senadora Ximena Rincón, que venceu as primárias internas e foi posteriormente vetada pelos integrantes do pacto Aprovar Dignidade.

Uma parte muito forte do encontro da porta-estandarte socialista e da imprensa foram as palavras dirigidas ao “independente” Sichel, que obteve a nomeação da coligação “Chile Vamos” e que é acusado de ser o “fantoche” da os chamados poderes factuais, incluindo o ex-ministro do interior e primo do presidente Piñera, Andrés Chadwick.

Gabriel Boric (Convergência Social – Frente Ampla), Sebastián Sichel (Independente – Chile Vamos), José Antonio Kast (Partido Republicano) e Carlos Paldonado (Partido Radical) já garantiram a sua participação no primeiro turno de novembro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.




Artigos relacionados

Moçambique: IESE diz que Covid-19 não foi principal causa de recessão do país

Moçambique: IESE diz que Covid-19 não foi principal causa de recessão do país

O Instituto de Estudos Sociais e Económicos (IESE) considera que a Covid-19 não foi a principal causa da recessão económica em Moçambique.…
Guiné-Bissau: Presidente exonera Chefe de Estado-maior da armada e vice do Exército

Guiné-Bissau: Presidente exonera Chefe de Estado-maior da armada e vice do Exército

Segundo uma nota do Gabinete de Comunicação da Presidência da República, citando o Decreto Presidencial, “é o Contra Almirante, Carlos…
Timor-Leste: Elaboração do Plano de Urbanização de Díli aprovada

Timor-Leste: Elaboração do Plano de Urbanização de Díli aprovada

O Conselho de Ministros de Timor-Leste aprovou a elaboração do Plano de Urbanização de Díli. O objetivo é melhorar a…
Angola: Governo aprova mais de 15 mil milhões de kwanzas para Agricultura e Pescas

Angola: Governo aprova mais de 15 mil milhões de kwanzas para Agricultura e Pescas

O ministro da Agricultura e Pescas de Angola, António Francisco de Assis, informou que foram aprovados mais de 15 mil…
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin