Chile: Candidato socialista abre “fogo político” após as primárias presidenciais

Fernando Peñalver

“Não podemos permitir que a direita com o clone de (Sebastián) Piñera continue a governar o Chile.” Quem assim se expressou foi a candidata presidencial do Partido Socialista (PS), Partido pela Democracia (PPD) e Novo Tratado (NT), Paula Narváez, na polémica conferência de imprensa, que marca a retomada das hostilidades políticas, após as massivas eleições primárias de domingo, 18 de julho, que lançou as candidaturas de Gabriel Boric e Sebastián Sichel.

Gritando o slogan “Paula sim, a outra não” em clara alusão à senadora Yasna Provoste, Narváez assegurou que o quadro político “estava incompleto” sem a presença do “genuíno socialismo democrático e progressivo” que ela e as forças que a apoiam personificam. “Hoje todo mundo quer ser socialista, e isso é muito bom, mas aqui está o verdadeiro socialismo”, disse a ex-porta-voz do governo da presidente Michelle Bachelet, com uma dose de sarcasmo.

Narváez desafiou a senadora Yasna Provoste, presidente do Senado e candidata virtual dos democratas-cristãos, a que concorra a umas primárias. “O Chile mudou e isso deve ser assumido. Nunca mais sem nós”, disse Narváez, apontando para as primárias presidenciais onde competiram apenas homens.

A porta-estandarte apontou “a necessidade de, por meio de um mecanismo democrático, definir uma candidatura única da Unidade Constituinte e do progresso, para sermos mais competitivos no primeiro turno de novembro nas eleições presidenciais. Não há espaço para outra coisa, o tempo acabou. Não há mais tempo para essas definições, e temo que se não as tomarmos o processo será irreversível. “

O DC voltará a definir a candidata presidencial entre os dias 14 e 21 de agosto, após a “renúncia” da senadora Ximena Rincón, que venceu as primárias internas e foi posteriormente vetada pelos integrantes do pacto Aprovar Dignidade.

Uma parte muito forte do encontro da porta-estandarte socialista e da imprensa foram as palavras dirigidas ao “independente” Sichel, que obteve a nomeação da coligação “Chile Vamos” e que é acusado de ser o “fantoche” da os chamados poderes factuais, incluindo o ex-ministro do interior e primo do presidente Piñera, Andrés Chadwick.

Gabriel Boric (Convergência Social – Frente Ampla), Sebastián Sichel (Independente – Chile Vamos), José Antonio Kast (Partido Republicano) e Carlos Paldonado (Partido Radical) já garantiram a sua participação no primeiro turno de novembro.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *




Artigos relacionados

Acompanhar os que vivem nos lugares mais remotos dos Andes é um desafio no Peru

Acompanhar os que vivem nos lugares mais remotos dos Andes é um desafio no Peru

Na Diocese de Tacna e Moquegua, que cobre uma vasta área na região do Altiplano, entre os Andes e o…
Cabo Verde: Júlio Correia solicita desfiliação do PAICV

Cabo Verde: Júlio Correia solicita desfiliação do PAICV

O militante de longa data do Partido Africano da Independência de Cabo Verde, PAICV, Júlio Correia, solicitou a sua imediata…
Namíbia: Governo e UNICEF vão promover acesso gratuito à internet nas escolas

Namíbia: Governo e UNICEF vão promover acesso gratuito à internet nas escolas

Duas mil e duas escolas estão mapeadas para beneficiar do Projecto Giga do Fundo das Nações Unidas para Infância (UNICEF)…
Artista plástico Miranda Brito expõe "Tramitações de Vidas" até ao final do mês

Artista plástico Miranda Brito expõe "Tramitações de Vidas" até ao final do mês

O artista plástico Miranda Brito expõe, na Biblioteca Municipal de Setúbal, “Tramitações de Vidas”. A exposição, inaugurada no passado dia…