América Latina

Chile: Pereira Palace acolherá a Convenção Constitucional

Um belo palacete de estilo neoclássico, que estava em vias de ser demolido, vive hoje um novo esplendor e será a sede que dará origem a uma nova constituição para esta nação sul-americana. 

Santiago – Pereira é um dos apelidos mais conhecidos na Galiza e em Portugal, com ampla difusão no Brasil e em Timor Oriental. Em Santiago do Chile, o restaurado Pereira Palace sediará os trabalhos administrativos e as discussões da Convenção Constitucional, a partir do próximo mês de abril. 

O presidente Sebastián Piñera, acompanhado de vários dos seus ministros e do reitor da Universidade do Chile, Ennio Vivaldi, entregou formalmente a construção neoclássica que data do século XIX e que foi desenhada pelo arquiteto francês Lucién Hénault, o mesmo que fez a casa central da Universidade do Chile e o Teatro Municipal. 

“Este palácio funcionou como residência da família Pereira, depois do arcebispado e de ter sido a seguir um colégio para raparigas enos anos 70, sede da Frente de Estudantes Revolucionários (…) Agora terá outro papel histórico a cumprir: próximo à antiga sede do Congresso em Santiago, albergará os centros de trabalho dos 155 constituintes”afirmou o chefe de Estado chileno. 

O Presidente defendeu que, além do desafio de avançar com massivo referendo constitucional, agora trata-se de viabilizar uma carta magna que seja defendida e respeitada por todos. Para esse efeito, foi lançada a página www.chileconstituctado.cl, portal no qual os cidadãos puderiam aproximar-se dos conceitos constitucionais básicos e conhecer o avanço da elaboração da primeira constituição em democracia. 

Enquanto isto acontecia em Huérfanos 1501, na sede do Servel, houve agitaão até altas horas da madrugada, com a inscrição dos candidatos à megaeleição de abril: constituintes, governadores, prefeitos e vereadores. 

Conforme estava previsto após o pacto com o Partido Republicano de José Antonio Kast, a aliança oficial Chile Vamos inscreveu uma lista única, situação que provisoriamente garante uma presença forte na tomada de decisões, que precisa de ser aprovada por dois terços do quórum. 

As diferentes “oposições” apresentaram as suas listas em momentos distintos, chamando a atenção para o facto de que ao agrupamento Unidade Constituinte foi adicionado o Partido Liberal, do deputado Vlado Mirosevich, conformando assim o que se chamou de Novo Trato (New Deal’), com um forte aroma à proposta que na época apresentou o presidente norte-americano Roosevelt. 

Fernando Peñalver

© e-Global Notícias em Português
Comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Topo