América Latina

Chile: Primárias esclarecem o caminho para as mega eleições chilenas de abril de 2021

Chile

Santiago – Tudo ficou claro e depois das primárias do domingo passado, 29 de novembro, os olhos dos chilenos estarão postos em uma data-chave no horizonte: 11 de abril de 2021.

Esse será o dia marcado para as eleições de constituintes convencionais, governadores regionais, prefeitos e vereadores, em todo o território da nação, “desde Arica a Magallanes”, processo que pode ser descrito como uma mega eleição.

Apesar de ter participado apenas um total de 400 mil eleitores, e de a tónica ter sido as mesas desertas, algumas nem chegaram a ser constituídas, a verdade é que existe um panorama mais claro sobre as opções que vão liquidar as acusações.

A Democracia Cristã despontou como a força mais votada, entre os fatores da oposição e um dos seus expoentes mais conspícuos, o ex-prefeito Claudio Orrego, surge como candidato à conquista do cargo de governador da Região Metropolitana.

Foi curativo para a cultura democrática do Chile ver a saudação respeitosa, o caloroso abraço daqueles que não foram favorecidos pelo voto popular nas primárias, ao vencedor Orrego no setor da Unidade Constituinte, a ex-Nova Maioria.

Em direção ao mundo do partido governante, uma pequena mas emblemática comuna atraiu a atenção do mundo político. E é que, contra todas as probabilidades, Camila Merino de Evopoli ergueu-se com a nomeação do Chile Vamos, naquilo que foi o triunfo de um trabalho na rua, convencendo os eleitores em tempos de pandemia.

O mês de janeiro será o ponto culminante para o registo de candidaturas, para que o processo de renúncia de muitos funcionários do governo de Sebastián Piñera seja cada vez mais pronunciado.

Fernando Peñalver

© e-Global Notícias em Português
Comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Topo