América do Norte | América Latina

EUA e Colômbia negam estar a ameaçar a Venezuela com exercícios militares conjuntos

Os Estados Unidos e a Colômbia negaram no domingo que o objetivo de um exercício conjunto dos seus exércitos seja ameaçar o governo do presidente venezuelano Nicolás Maduro com uma intervenção militar e disseram que apenas procuram manter a cooperação para enfrentar ameaças transnacionais, como o terrorismo.

Unidades da 82ª Divisão Aerotransportada do Exército dos Estados Unidos e o Comando Conjunto de Operações Especiais das Forças Militares da Colômbia completaram três dias de treino como parte do chamado Exercício Estratégico Multinacional nesta base, no centro do país sul-americano.

A Venezuela representa uma ameaça e um risco para a região“, disse o embaixador dos EUA na Colômbia, Philip S. Goldberg. “Todo mundo está ciente dos problemas que a Venezuela e o regime na Venezuela representam, mas são questões separadas“.

O diplomata disse que os exercícios conjuntos são um sinal de amizade e boas relações entre os governos de Bogotá e Washington, bem como as suas forças militares.

Maduro, que resistiu às sanções económicas do governo do presidente Donald Trump, frequentemente acusa os Estados Unidos de preparar uma intervenção militar contra o seu país para afastá-lo do poder com a ajuda da Colômbia.

Por seu lado, o ministro da Defesa da Colômbia, Carlos Holmes Trujillo, disse que os exercícios procuram fortalecer a colaboração militar entre os dois países para enfrentar ameaças transacionais como o terrorismo.

O objetivo deste exercício é continuar a fortalecer a interoperabilidade das nossas forças e, portanto, assim deve ser entendido“, afirmou Holmes.

A Colômbia é o principal destinatário da ajuda americana na América Latina. Até 2020, a Câmara dos Deputados e o Senado do país norte-americano concordaram com um orçamento de 448 milhões de dólares para a Colômbia.

Cerca de 180 milhões de dólares serão destinados à luta contra o narcotráfico, enquanto 21 milhões serão para desminagem e 39,9 milhões para programas militares, treino e formação militar.

© e-Global Notícias em Português
Comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Topo