Venezuela: Guaidó pede uma auditoria mundial aos fundos de ajuda humanitária

Juan Guaidó, presidente interino da Venezuela, disse na segunda-feira que as alegações sobre a apropriação indevida de fundos de ajuda humanitária serão tratadas pela Procuradoria da Colômbia e solicitou uma auditoria mundial.

Durante uma conferência de imprensa na sede da Voluntad Popular em Caracas, o líder explicou que as investigações realizadas pelo representante na Colômbia, Humberto Calderón Berti, tinham como objetivo prestar contas na administração da ajuda humanitária.

Guaidó indicou que a Assembleia Nacional fez registos sobre ajuda humanitária e assistência aos militares venezuelanos em território colombiano. No entanto, afirmou, a atenção a funcionários foi feita através do governo colombiano e do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados.

“As pessoas encarregadas de assistir os militares em Cúcuta são militantes do Táchira, por causa da proximidade que tinham e porque estavam a assistir militares que estavam em situação de refúgio na Colômbia. A comissão especial para atender os oficiais era para atender 1.600 pessoas todos os dias diariamente e coordenar com o ACNUR, o governo colombiano e outras instituições sobre a sua assistência”, disse.

O autoproclamado presidente interino da Venezuela esclareceu que os fundos da ajuda humanitária não são manipulados pelos líderes políticos e que o dinheiro usado para pagar os hotéis nos quais os seus representantes se hospedaram estava a cargo de pessoal do partido político Voluntad Popular.

“Essas pessoas foram afastadas da sua posição”, informou.

Guaidó sublinhou que a sua administração não manipula os recursos do Estado, pelo que não permitirá que o partido dominante deturpe a informação.

“O Parlamento conseguiu assistir mais de 100.000 pessoas através de fundações e organizações não-governamentais. Nós não vamos permitir que o regime confunda. Este governo de transição não lida com recursos ou fundos porque estamos em processo de transição. Não há fundos venezuelanos ou multilaterais, apenas a crise militar na Colômbia foi resolvida”, afirmou.

O líder referiu-se à visita de Michelle Bachelet, alta comissária da Organização das Nações Unidas para os Direitos Humanos, que será realizada entre a próxima quarta-feira e a próxima sexta-feira e indicou que estão à espera de uma agenda oficial para saber a data da reunião da representante com a presidência interina.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *




Artigos relacionados

Temperaturas anormais responsáveis por 5 milhões de mortes por ano

Temperaturas anormais responsáveis por 5 milhões de mortes por ano

Um novo estudo internacional descobriu que mais de cinco milhões de mortes por ano podem ser atribuídas a temperaturas quentes…
Timor-Leste: 47% das crianças timorenses sofre violência física

Timor-Leste: 47% das crianças timorenses sofre violência física

O gestor jurídico da World Vision de Timor-Leste, António Moniz do Rosário, informou que 47% das crianças timorenses é vítima de violência física. Esta organização tem…
Perda de dentes associada ao aumento de demência

Perda de dentes associada ao aumento de demência

A perda dentária é um fator de risco para o comprometimento cognitivo e demência – e com cada dente perdido,…
Países juntos da CPLP considerados 10.ª maior economia mundial

Países juntos da CPLP considerados 10.ª maior economia mundial

Os nove membros da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), juntos, representariam a 10.ª maior economia mundial. Esta é a conclusão tirada da…
Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin