América Latina | Crise

Venezuela: Maduro terá vendido 7,4 toneladas de ouro venezuelano em África por 300 milhões

A Venezuela terá enviado 7,4 toneladas de ouro para o Uganda num avião russo para ser processado e depois exportado para o Médio Oriente, de acordo com o The Wall Street Journal.

Numa altura de uma crise económica e política sem precedentes, o presidente venezuelano Nicolás Maduro teria vendido cerca de 7,4 toneladas de ouro das reservas soberanas do país, avaliadas em 300 milhões de dólares para refiná-lo em África e evitar Sanções dos EUA, segundo o Wall Street Journal.

A Venezuela teria enviado o metal preciosos para o Uganda num avião russo. A carga, identificada como propriedade do banco central do país caribenho  deveria ser refinada e exportada para o Médio Oriente, segundo fontes diplomáticas e policiais dos dois países citados pela publicação norte-americana.

Fontes dizem que a liquidação de reservas de ouro faz parte da estratégia de Maduro para permanecer no poder diante da crescente pressão internacional e da ameaça interna de Juan Guaidó, reconhecido como presidente interino por cinquenta nações, incluindo os Estados Unidos e vários países da Europa.

Embora os Estados Unidos tenham imposto sanções sobre a venda de ouro no final do ano passado, o governo de Maduro teria continuado a vender secretamente o metal precioso, como mostram duas remessas de 3,8 e 3,6 toneladas para o Uganda, com a Turquia como destino final. A empresa Goetz Gold, sediada em Dubai, atuou como intermediária, embora a empresa tenha dito que a carga não foi enviada para Ancara.

Enquanto o primeiro lote desapareceu, o segundo carregamento foi intercetado pela polícia ugandesa, que identificou o ouro com etiquetas que certificavam a sua origem venezuelana e datavam da década de 1940 do século passado.

No entanto, o procurador-geral do país africano ordenou a libertação da carga três semanas após a sua apreensão e perdeu-se o rastro da carga desde essa altura.

Não seria a primeira operação com ouro feita por Maduro. Em janeiro, a Venezuela teria vendido cerca de 20 toneladas, conforme relatado pelo opositor José Guerra, ex-economista do banco central.

Isso levou o assessor de segurança nacional dos EUA, John Bolton, a advertir a Turquia e os Emirados Árabes Unidos a não comprar da Venezuela esses ativos “roubados ao povo venezuelano pela máfia de Maduro”.

© e-Global Notícias em Português
Comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Topo